Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 43 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 43 (October 2017)
TL10‐099
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.398
Open Access
NEUROMODULAÇÃO SACRAL PARA TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES DO ASSOALHO PÉLVICO. RESULTADOS E COMPLICAÇÕES
Visits
...
Sthela Maria Murad‐Regadasa,b,c, Lara Burlamaqui Verasa,b,c, Lusmar Veras Rodriguesa,b,c, Francisco Sérgio Pinheiro Regadasa,b,c, Francisco Sérgio Pinheiro Regadas Filhoa,b,c, Lia Barroso Simonetti Gomesa,b,c, Carolina Murad Regadasa,b,c
a Unidade Assoalho Pélvico do Hospital São Carlos, Fortaleza, CE, Brasil
b Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, CE, Brasil
c Santa Casa da Misericórdia de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil
Article information
Full Text

Objetivo: Avaliar os resultados imediatos da neuromodulação sacral no tratamento das disfunções associadas do assoalho pélvico.

Método: Foram incluídos no estudo pacientes com sintomas de incontinência fecal‐IF, urinária‐IU e/ou evacuação obstruída‐EO isoladas ou associadas que não responderam ao tratamento clínico e à reabilitação do assoalho pélvico submetidos à neuromodulação sacral. Todas foram submetidas à avaliação clínica com o escore da Cleveland Clinic de incontinência fecal‐IFCCF e constipação‐CCCF e o diário miccional associado a manometria anorretal e ultrassom‐3D anorretal. Foram submetidas a implante de eletrodos na raiz sacral‐S3 na fase I‐Teste e avaliadas de acordo com a resposta nos escores usados, em duas a três semanas. Implantados o marcapasso definitivo (Interstim II) nos casos ≥ 50% de melhoria nos sintomas.

Resultados: Incluídas 12 pacientes, média de 67 anos, oito foram submetidas a parto vaginal. Duas pacientes com cirurgia prévia de coluna; uma esfincteroplastia e prévio acidente vascular cerebral (AVC) e alteração na função motora do membro inferior esquerdo‐MIE. Apresentavam IF associada com IU em quatro casos; IU e EO em quatro; IU, IF e EO em três e IF em um. Média de pressão de repouso de 29mmHg e pressão voluntária máxima de 71mmHg e lesão parcial do esfíncter anal externo em quatro casos. Todas as pacientes foram submetidas ao implante definitivo. O IFCCF reduziu 9 vs. 0,5 (p<0,0001). O CCCF reduziu 10 vs. 3 (p<0,0001). Cinco pacientes permaneceram com irgência urinária. A média da amplitude do estímulo foi de 1,9 Mv. Não houve complicações durante a fase teste e nem definitiva. Paciente da cauda equina apresenta urina em jato contínuo e sem uso de sonda vesical e melhoria continua dos movimentos do MIE na paciente do AVC. Seguimento 12 meses.

Conclusão: A neuromodulação sacral é tratamento efetivo nas disfunções do assoalho pélvico, mesmo associadas. Nesta casuística, apresentou melhoria expressiva dos sintomas, sem evidência de complicações.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools