Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 67-68 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 67-68 (October 2017)
V4‐44
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.286
Open Access
NEUROMODULAÇÃO SACRAL PARA TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS DO ASSOALHO PÉLVICO. ASPECTOS TÉCNICOS PARA IMPLANTE EFETIVO
Visits
...
Sthela Maria Murad‐Regadasa,b,c, Lara Burlamaqui Verasa,b,c, Lusmar Veras Rodriguesa,b,c, Francisco Sérgio Pinheiro Regadasa,b,c, Leonardo Robson Pinheiro Sobreira Bezerraa,b,c, Gonzalo Federico Hagerman Ruiz Galindod, Francisco Sérgio Pinheiro Regadas Filhoa,b,c
a Unidade Assoalho Pélvico, Hospital São Carlos, Fortaleza, CE, Brasil
b Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, CE, Brasil
c Santa Casa da Misericórdia de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil
d Universidad Panamericana, Cidade do México, México
Article information
Full Text

Objetivo: Descrever os detalhes técnicos do implante do neuromodulador sacral em uma paciente com distúrbios associados do assoalho pélvico.

Método: Paciente feminina, 69 anos, nulípara, com sintomas de incontinência fecal, escore da Cleveland Clinic 12/20, escore de Constipação da Cleveland Clinic de 10/30 e incontinência urinária. A manometria anorretal demonstrou pressões reduzidas e o ultrassom anorretal sem lesões esfincterianas. Não apresentou melhoria ao tratamento clínico e ao biofeedback.

Resultados: Foi submetida à Fase I ‐ Implante de Eletrodos na raiz sacral‐S3 acompanhada por radioscopia. Paciente em decúbito ventral, com elevação da região lombossacra, sob sedação e anestesia local. Procede‐se à marcação dos pontos anatômicos, bilateralmente, localizados a 9cm acima da ponta do cóccix, corresponde à junção sacrilíaca, e na linha média, a 2cm lateralmente direito e esquerdo onde está posicionado o forame S3. Guiado por radioscopia, introduz‐se a agulha a 1,5cm proximal dessa marcação, com angulação de 60°. Verifica‐se adequada resposta pelo menor estímulo, que produz melhor resposta motora em glúteos e hálux em cada lado. Segue a introdução do dilatador pelo qual será implantado o eletrodo quadripolar com a curvatura do fio guia orientada lateralmente, ao longo da raiz S3. Permanecem três eletrodos ao longo da raiz sacral e um no forame S3. Faz‐se a tunelização da extensão do eletrodo para exteriorização na pele contralateral e conexão ao estimulador externo. Segue‐se a programação do paciente com o estímulo que tolerar. Após duas semanas, foi indicado implante definitivo, pois houve melhoria completa de todos os sintomas. O implante definitivo do marcapasso (Interstim II) é feito em decúbito ventral sob sedação e anestesia local. Após secção dos extensores externos, conectam‐se diretamente os eletrodos com a bateria (Interstim II), que será posicionada no tecido subcutâneo, abaixo da espinha ilíaca.

Conclusão: Neste caso, a técnica é eficaz para tratamento dos distúrbios do assoalho pélvico com melhoria expressiva dos sintomas e sem complicação.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools