Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 66 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 66 (October 2018)
P215
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.140
Open Access
O PAPEL DO ULTRASSOM ENDOANAL TRIDIMENSIONAL NA AVALIAÇÃO DA FÍSTULA ANAL
Visits
...
Pedro Henrique Lourenço Borges, Matheus Backes Zambonato
Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Canoas, RS, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: As fístulas são definidas como uma comunicação anômala entre o epitélio intestinal e a pele, sendo o abscesso anorretal uma condição predisponente. Muitas vezes, a identificação do trajeto completo da lesão é difícil no exame clínico, sendo necessários métodos de imagem mais sofisticados para avaliação da lesão e planejamento terapêutico.

Objetivo: Avaliar o papel do ultrassom endoanal na avaliação e planejamento terapêutico das fístulas anorretais.

Metodologia detalhada: Revisão bibliográfica utilizando bases de dados eletrônicas, PubMed e Scielo, para obtenção de artigos sobre o tema. Foram selecionados apenas artigos publicados nos últimos cinco anos.

Resultados: O ultrassom endoanal constitui‐se em uma importante ferramenta no que tange a correta abordagem e planejamento cirúrgico das fístula anais, uma vez que permite a correta avaliação do percurso da lesão e anatomia anorretal, além de guiar o procedimento cirúrgico, diminuindo as chances de comprometimento do complexo esfincteriano e recorrências. Em comparação com a ressonância magnética endoanal, por exemplo, o ultrassom mostrou sensibilidade semelhante para identificação do trajeto fistuloso e abertura do orifício interno, com a vantagem de gerar menores custos e ser de mais fácil acesso. Além do mais, tal método de imagem permite identificar a relação da fístula com o esfíncter anal (inter, trans, supra ou extraesfincteriana), sendo portanto um guia para ajudar o cirurgião a escolher a melhor técnica e diminuindo as chances de recidivas e complicações, tal como incontinência fecal. Todavia, por se tratar de um exame operador dependente, é de suma importância que o examinador tenha total intimidade com o aparelho a ser utilizado, além de experiência para realizar tal procedimento, possibilitando que a união entre exame de imagem e planejamento cirúrgico adequado possam gerar mais benefícios para o paciente e diminuir as chances de complicações.

Conclusão: O ultrassom endoanal é uma ferramenta eficaz para estabelecer a relação da lesão fistulosa com o complexo esficteriano e para melhor avaliar a anatomia anorretal. Uma vez utilizada em conjunto com uma boa abordagem cirúrgica pode gerar melhores resultados, com menores chances de complicações e recidivas.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools