Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 126 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 126 (October 2017)
P‐122
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.123
Open Access
O USO DA ULTRASSONOGRAFIA ANORRETAL 3D NA AVALIAÇÃO DE FÍSTULA ANAL. ANÁLISE DE UM SERVIÇO DE COLOPROCTOLOGIA DO PARANÁ
Visits
...
Karina Correa Ebrahima, Doryane Maria dos Reis Limab, Gustavo Kurachib, Dayanne Alba Chiumentoa, Barbara Pereira de Laraa, Univaldo Etsuo Sagaeb
a Hospital São Lucas, Cascavel, PR, Brasil
b Gastroclínica Cascavel, Cascavel, PR, Brasil
Article information
Full Text

Objetivo: Analisar a taxa de recidiva pós‐operatória de fístulas anorretais com o uso da ultrassonografia anorretal 3D no pré‐operatório.

Método: Trabalho descritivo e prospectivo, envolveu pacientes portadores de fístulas anais em um serviço privado de Cascavel (PR), entre junho de 2010 e abril de 2016.

Foram analisados 104 pacientes, com suspeita de fístula anal ao exame físico e história clínica, os quais foram submetidos à ultrassonografia anorretal tridimensional (US 3D). Foram excluídos os pacientes que não apresentavam fístula anorretal e/ou que não fizeram o exame ultrassonográfico tridimensional.

Resultados: A média de idade foi de 44 anos (14‐79), 72 eram do sexo masculino (69,2%) e 32 do feminino (30,7%). Foram feitas 199 cirurgias, até 17 cirurgias em um mesmo paciente. A média de cirurgias por paciente foi de 1,79; 43 (41,3%) pacientes apresentaram fístula transesfincteriana, dentre esses apenas três mulheres (23%); 13 pacientes (12,5%) apresentaram fístula interesfincteriana e apenas dois (1,92%) fístula em ferradura. A média de cirurgias por paciente foi de 2,5.

Conclusão: É necessário amplo conhecimento da anatomia anorretal e do aparelho de ultrassom a ser usado, de modo a se obterem imagens ultrassônicas ricas em informações para serem bem interpretadas. Tais imagens permitem a análise completa do trajeto fistuloso devido às imagens paralelas transaxiais obtidas pelo ultrassom tridimensional, que garantem a visualização completa em todos os eixos do segmento anal afetado pela fístula, permitem, assim, a identificação do orifício de entrada, das cavidades associadas e dos trajetos.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools