Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 161 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 161 (November 2019)
481
Open Access
Padronização de envio e avaliação histopatológica das peças de cirurgias colorretais oncológicas
Visits
...
M.L. Bicalho, M.P. Liger, H.D.A.F. Pinto, G.O. Lima, S.T. Lopes, M.D. Massahud, I.G. da Silva, R.M.R.S. Ferreira
Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré‐malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): A análise histológica das peças cirúrgicas possue papel essencial no tratamento dos pacientes com câncer colorretal, que é a terceira neoplasia mais frequente do trato gastro intestinal. A recomendação atual consiste no envio dos produtos de cirurgias oncológicas do cólon e do reto de forma fechada para análise do patologista. Este trabalho avalia a influência do modo de envio das peças na retração das margens e do mesocólon, e na análise histológica das peças, procurando validar estas recomendações ou propor nova padronização no envio das mesmas.

Método: Foram avaliadas 68 peças de cirurgias colorretais oncológicas realizadas no período de 7 de maio de 2018 a 25 de outubro de 2018. Foram medidas as margens distal, proximal e a maior distância do mesocólon na peça a fresco, logo após o término da cirurgia, e a seguir na peça após fixação pelo formol, no laboratório de Patologia foram estudadas. A análise macroscópica e histológica foi realizada de acordo com normas do American College of Surgeons e do College of American Pathologists. A seguir foram revistas as lâminas por dois patologistas que estavam cegos quanto ao modo de envio das peças para avaliação da qualidade microscópica dos espécimes – o critério utilizado foi o grau de autólise.

Resultados: Houve tendência a um maior grau de autólise nas peças fechadas, porém sem atingir significância estatística (p=0,06).

Conclusão(ões): A técnica cirúrgica adequada é essencial para um melhor desfecho oncológico e redução da morbimortalidade relacionada à cirurgia colorretal. A relação entre as margens de ressecção é um forte preditor de recorrência local no câncer colorretal. O dado de a retração ser maior com peças fechadas vai contra as recomendações atuais de envio das peças fechadas. Podemos apenas sugerir a abertura das peças até a lesão (ou até o mesorreto nos casos de excisão total do mesorreto) para maior penetração pelo formol e melhor análise das margens distais pelo patologista, de modo a não comprometer a análise das margens circunferencial nos casos de tumores de reto e das margens radiais em tumores de cólon. A avaliação patológica realizada de forma precisa apresenta impacto no estadiamento, prognóstico e tratamento adjuvante destes pacientes. Procuramos validar uma recomendação de envio das peças para estudo histológico e com os dados presentes o envio das peças abertas traria o potencial benefício para o patologista de menor retração da margem distal das peças após fixação por formol. Entretanto, devido ao N (68) pequeno, não é possível, com os dados apresentados até o momento fazer uma recomendação formal quanto ao melhor modo de envio das peças. Além disso este estudo se limitou a um único centro e não randomizou adequadamente o envio de peças abertas ou fechadas, resultando em um número maior de peças enviadas fechadas. Um estudo com maior número de casos se torna necessário para reforçar recomendação atual ou validar nova recomendação.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools