Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 77-78 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 77-78 (November 2019)
639
Open Access
Proctite isquêmica: relato de caso e revisão de literatura
Visits
...
T.M.M.O. Rodrigues, A.R. Queiroz, L.M.G. Codes, A.L. Mano, F.C.R. Fidelis, M.M. Maranhão, T.C.S. Marques, E.M. Azaro Filho
Hospital São Rafael, Salvador, BA, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Anorretais Benignas

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Relatar um caso raro de proctite isquêmica, sem fator precipitante evidente.

Descrição do caso: Mulher, 79 anos, sexo feminino, hipertensa, dislipidêmica e portadora de fibrilação atrial, com passado de adenocarcinoma gástrico. Iniciou quadro insidioso de dor retal e alteração do hábito intestinal, oscilando entre obstipação e esforço evacuatório com períodos de diarreia, com hematoquezia associada. Evoluiu, após cerca de três meses, com semioclusão intestinal e dor abdominal difusa, necessitando internação hospitalar. Tomografia e ressonância magnética de pelve evidenciaram espessamente parietal circunferencial do reto, com edema de submucosa e estreitamento da sua luz. Retossigmoidoscopia mostrou redução abrupta da luz retal, a cerca de 6,0cm da borda anal, com edema e hiperemia de mucosa, impedindo a progressão do aparelho. Anatomia patológica mostrando apenas processo inflamatório inespecífico. Apresentou melhora do quadro após medidas clínicas, recebendo alta hospitalar. Em avaliação ambulatorial, apresentava 6‐8 evacuações diárias, com grande esforço e fezes afiladas, sem sangue ou muco. Ao toque retal, identificada área de estenose endurecida a 5cm da borda anal, recoberta por mucosa íntegra. A paciente foi então submetida a exame proctológico sob sedação, que evidenciou afilamento retal significativo, endurecido, sem lesões elevadas ou ulceradas. Realizada então dilatação retal e biópsias da estenose. O estudo anatomopatológico foi compatível com proctite isquêmica, sem sinais de malignidade. Evoluiu com melhora significativa do ritmo intestinal, com dejeções diárias (2‐3 vezes/dia) e sem esforço evacuatório. Segue em acompanhamento ambulatorial, sem novas queixas.

Discussão e Conclusão(ões): A proctite isquêmica é uma condição rara, devido ao excelente suprimento sanguíneo do reto. Embora possa ser decorrente de oclusão arterial aguda, é mais comum em pacientes idosos, com doença ateromatosa difusa, em estados graves e de baixo fluxo. Os sintomas mais comuns são dor e sangramento, sendo a estenose um sinal tardio da doença. O diagnóstico diferencial deve ser feito com doenças inflamatórias e infecciosas, sendo o definitivo dado através do estudo anatomopatológico. Embora o tratamento, na maioria dos casos, seja de suporte, voltado à condição de base e à sintomatologia, alguns pacientes necessitam de proctectomia e colostomia, como na proctite gangrenosa, devido à alta taxa de mortalidade. Portanto, embora incomum, o diagnóstico de proctite isquêmica deve ser aventado em pacientes idosos e com múltiplas comorbidades, na presença de dor retal e hematoquezia. Descrevemos uma apresentação rara da doença, sem fator precipitante claro.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools