Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 87 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 87 (November 2019)
653
Open Access
Proctossifiloma mimetizando câncer do reto
Visits
...
M.C. Savio, P. Borges, A. Baldin Junior, M.C. Sartor, A.S. Brenner, M.D. Rossoni, N.L. Nóbrega, G.M. Nicollelli
Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Infecciosas

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Relatar um caso de sífilis do reto mimetizando lesão neoplásica em paciente jovem e previamente hígido.

Descrição do caso: Masculino, 49 anos, foi encaminhado a pronto atendimento de um hospital universitário com história de hematoquezia, tenesmo, constipação e dor retal há 6 meses. Negava comorbidades ou cirurgias prévias. Ao exame físico apresentava abdome globoso, sem massas ou visceromegalias. Submetido a retossigmoidoscopia flexível, que identificou lesão vegetante e ulcerada, ocupando metade da circunferência do canal anal e reto distal, friável ao toque do aparelho e com área necrótica em seu centro. A lesão iniciava na linha pectínea e se extendia até a primeira válvula de Houston. Tomografia computadorizada de abdome evidenciava espessamento mural concêntrico e irregular do reto, com realce heterogêneo pelo contraste, de limites imprecisos, medindo 8,2cm de extensão. Além disso haviam linfonodomegalias nas cadeias ilíacas internas e obturatórias bilateralmente, algumas com focos de necrose central. Ressonância magnética da pelve confirmou os achados da tomografia e foi compatível com lesão neoplásica do reto médio e distal com comprometimento do esfíncter anal interno, extensão extramural e linfonodomegalias regionais. Exame anatomopatológico da biópsia não identificou sinais histológicos de malignidade. A biópsia foi repetida e também foi negativa para malignidade. O paciente apresentava sorologias para HIV e hepatites negativas. Neste momento foi solicitado VDRL sérico, que veio positivo de 1:256. O paciente iniciou tratamento para sífilis com Penicilina G Benzatina. Após 6 meses do tratamento apresentava melhora das queixas retais, evacuações diárias normais. VDRL teve queda com resultado 1:4. Novo exame de ressonância magnética da pelve mostrou redução do espessamento mural do reto e regressão das linfonodomegalias regionais. Retossigmoidoscopia após 6 meses do tratamento evidenciou reto de aspecto normal.

Discussão e Conclusão(ões): A sífilis é conhecida como “a grande imitadora” no universo médico pelo fato de mimetizar diversas condições. A sífilis do reto tem diversos diagnósticos diferenciais, sendo o principal deles o câncer do reto e do canal anal. Deve‐se ter alta suspeição desta infecção, que tem prevalência crescente no Brasil e consiste na terceira causa de infecções anorretais sintomáticas, precedida apenas pelo herpes e a gonorreia. Os achados endoscópicos na sífilis do reto podem ser variados e incluem proctite, massas úlceras e pseudotumores.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools