Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 176-177 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 176-177 (November 2019)
538
Open Access
Protocolo “watch and wait” para pacientes com adenocarcinoma de reto em um hospital universitário
Visits
...
N.S. Mukai, M.L.S. Ayrizono, M.G. Camargo, F.O. Costa, L.V. Pinheiro, P.N. Moraes, C.S.R. Coy, C.A.R. Martinez
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré‐malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): Descrever as principais estratégias de tratamento e de seguimento dos pacientes com câncer de reto extraperitoneal que apresentam resposta clínica completa após a neoadjuvância nos principais serviços do mundo; e definir um protocolo que possa ser aplicado em um hospital universitário.

Método: Foi realizada uma revisão de literatura com publicações nas bases de dados MEDLINE e Scopus, sobre neoplasia de reto tratada com quimiorradioterapia neoadjuvante e manejados com “watch and wait”, desde janeiro de 1990 até novembro de 2018.

Resultados: Do total de 47 estudos, 22 foram incluídos nessa análise. A definição de resposta clínica completa baseados em exame clínico, endoscópico e RNM de pelve foram usados em 18 estudos. Quatro utilizaram biópsia com resultado negativo; e em dois a biópsia foi facultativa. Os maiores critérios para indicação de neoadjuvância foram o adenocarcinoma de reto médio e distal considerados cT2‐4, N+, M0, estádio II‐III. Tumores T2N0 e risco de amputação de reto ou ressecção distal foram incluídos em quatro estudos. Para o reestadiamento foram citados o toque retal, colonoscopia ou retoscopia, CEA, radiografia de tórax, tomografia de tórax, abdome e pelve, ultrassom endorretal, ressonância magnética de pelve com ou sem sequência de difusão de moléculas de água e o PET‐CT realizados num intervalo que variou entre 4 e 6 semanas após a neoadjuvância. Foram mais utilizados a quimioterapia com o 5‐fluorouracil associado a leucovorin e a capecitabina e a radioterapia de curso longo, com o emprego de 45Gy a 54Gy em 25 a 30 frações. O acompanhamento foi mais rígido nos dois primeiros anos, com visitas médicas e exames mais frequentes; aumentando esse intervalo ao longo do tempo, com período de reavaliação minimamente estabelecido em cinco anos.

Conclusão(ões): Com base no que há de evidência na literatura mundial, nos protocolos adotados pelos estudos avaliados, e na infraestrutura que um hospital universitário oferece, foi montado um protocolo de “watch and wait”. Protocolo: Pacientes com adenocarcinoma de reto extraperitoneal tocável, estádio II‐III ou T2N0 baixos são elegíveis para neoadjuvância com quimioterapia com 5‐FU e leucovorin ou capecitabina na primeira e na última semana de radioterapia na dose total de 54Gy. O reestadiamento é realizado em 12 a 16 semanas com toque retal, retoscopia, tomografia de tórax, abdome e pelve, ressonância de pelve, PET‐CT e CEA. Pacientes com resposta incompleta são encaminhados para cirurgia; com resposta quase completa são reestadiados em 6 semanas e com resposta completa são elegíveis para protocolo de “watch and wait” após esclarecimento sobre essa alternativa de tratamento. Nos primeiros dois anos, esse paciente é acompanhado com exame clínico e CEA trimestral, e tomografia, ressonância e PET‐CT semestral. Do terceiro ao quinto ano, os exames clínicos e CEA são semestrais e a tomografia, ressonância e PET‐CT anuais. Após o quinto ano, todos os exames são anuais. Em caso de recidiva, o paciente é direcionado para a cirurgia.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools