Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 74-75 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 74-75 (October 2018)
P233
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.160
Open Access
QUEIXAS PROCTOLÓGICAS NA GESTAÇÃO E NO PUERPÉRIO NO MUNICÍPIO DE PORTO NACIONAL‐TO
Visits
...
Priscilla Silva Rezende, Raquel Carnio, Viviane Tiemi Kenmoti
ITPAC Porto Nacional Ltda ‐ Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos de Porto Nacional Ltda., Porto Nacional, TO, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A gestação e o puerpério caracterizam‐se como períodos repletos de transformações orgânicas e psicológicas. A gestante ou puérpera estão suscetíveis a essas alterações e os sintomas proctológicos são queixas comuns, tornando importante o conhecimento dessas patologias por médicos generalistas e obstetras para a conduta apropriada.

Objetivo: Identificar o manejo das queixas proctológicas mais comuns das gestantes e das puérperas no período estudado.

Método: Utilizou‐se a pesquisa de campo com abordagem qualitativa e quantitativa, de caráter descritivo e exploratório. O público alvo foram gestantes e puérperas atendidas no Hospital Materno Infantil Tia Dedé, em Porto Nacional (TO), no período entre 21/05/2018 e 09/06/2018. Os dados foram coletados por entrevista com o auxílio de um questionário.

Resultados preliminares: Foram entrevistadas 123 pacientes, das quais 66 eram gestantes e 57 puérperas. 7 pacientes (5,6%) nunca tiveram quaisquer sintomas/sinais do trato gastrointestinal e 19 (15,4%) referiram sintomas proctológicos, sendo que várias responderam com mais de uma queixa. 11 (57,9%) pacientes relataram dor anal durante a gestação e apenas uma paciente no puerpério. Além disso, 10 pacientes (52,6%) relataram sangramento anal durante a gestação e 4 (21%) durante o puerpério. A queixa de prurido anal foi referida por 7 (36,8%) pacientes durante a gestação e por 2 durante o puerpério. 5 (26,3%) pacientes referiram nódulos em região anal durante a gestação, enquanto apenas uma durante o puerpério. A maioria 32,5% (40) das pacientes procuraram a Unidade Básica de Saúde (UBS), das quais 24 (60%) foram examinadas, 22 por médicos e duas pela enfermagem. 27,6% se automedicaram. Duas pacientes (1,6%) procuraram atendimento ginecológico.

Conclusão: A queixa proctológica mais comum foi dor anal e a maioria das pacientes procuraram atendimento em UBS. Parcela significativa das pacientes entrevistadas optaram por automedicação, seja por preconceito ou incompreensão da importância das afecções coloproctológicas. Infelizmente um número importante de pacientes não foi examinado por nenhum profissional de saúde, mesmo o exame físico sendo imprescindível para a determinação da conduta coloproctológica adequada.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools