Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 75 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 75 (October 2018)
P234
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.161
Open Access
RECONSTRUÇÃO PERINEAL COM ESFINCTEROPLASTIA EM OVERLAP APÓS TRAUMATISMO POR PARTO VAGINAL
Visits
...
Shirlane Frutuoso Malheiros, Jessica Montenegro Pontes, Leticia Aires Benjamin, Silvana Serra Alvim Ribeiro, Alisson Cordeiro Moreira, Pedro Eduardo de Oliveira Cartaxo
Hospital Municipal Santa Isabel (HMSI), João Pessoa, PB, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: As lacerações perineais no trauma vaginal são incomuns, porém de grande impacto funcional e psicossocial na mulhere. A laceração perineal varia desde grau 1, em que ocorre apenas lesão de pele, até grau 4, onde há ruptura total dos esfíncteres externo e interno. A lesão esfincteriana pode ocorrer até em lesões menores e os sintomas podem surgir até 1 ano após o trauma perineal em até 50% dos casos.

Relato de caso: T.D.R., 20 anos, G1P1, deu entrada no ambulatório de Coloproctologia do no serviço de Coloproctologia do Hospital Municipal Santa Isabel (HMSI), em João Pessoa, PB, com queixa de incontinência fecal há 1 ano, após parto vaginal, que levava a impacto social e emocional, visto que não conseguia exercer atividades laborais e nem manter intercurso sexual com o companheiro desde então. O parto ocorreu há 1 ano e 2 meses, com 12 horas de duração e com indução e sem realização de episiotomia. A laceração foi identificada imediatamente após o parto, onde foi reparada pela equipe de obstetrícia, porém com deiscência completa da sutura após 7 dias, devido à infecção (SIC). Com laceração perineal grau 4 (cloaca), indentificando pequeno reparo em mucosa retal, remanescente da reconstrução primária. Foi proposto fisioterapia do assoalho pélvico 6 meses antes do tratamento cirúrgico com intenção de obtenção de melhor resultado intra e pós‐operatório, com boa resposta, sendo posteriormente submetida a reconstrução perineal com esfincteroplastia pela técnica de “overlap”, sem intercorrências. No primeiro mês de pós‐operatório, não houve intercorrências ou complicações, com boa resposta e melhora da incontinência para flatos e fezes.

Discussão e conclusão: A maioria das mulheres dá à luz sem nenhum dano perineal ou retal significativo. No entanto, em cerca de 1 a 4% dos nascimentos há danos esfincterianos e perineais que podem causar problemas consideráveis em termos de dor, incontinência e dispareunia. A incontinência pode impactar significativamente em suas vidas diárias e relacionamentos e causar aumento de custos para os serviços de saúde. Portanto, a importância de uma boa avaliação do assoalho pélvico e dos fatores de risco para laceração perineal, como a desproporção céfalo‐pélvica, a fim de diminuir o índice de lacerações perineais por partos vaginais.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools