Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 20-21 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 20-21 (November 2019)
803
Open Access
Relato de caso: fístula entero‐vesical como complicação de doença de crohn em atividade
Visits
...
B.T. Piasecki, B.L. Scolaro, B. Wiese, G.A.S. Gazzoni, E.F. Malluta, M.K. Mello, M.C. Kimura, O.W. Muniz
Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Itajaí, SC, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Inflamatórias Intestinais

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Relatar um caso de fístula entero‐vesical (FEV) como complicação de doença de Crohn em um serviço de referência de Itajaí – SC.

Descrição do caso: F.C.D.J., 33 anos, masculino. Diagnosticado com doença de Crohn há 8 anos, com má aderência ao tratamento. Atendido no ambulatório de doenças inflamatórias intestinais (DII), referiu surgimento de dor abdominal difusa com início há 3 meses, de forte intensidade, apresentando piora nos últimos dias e sem alívio com uso de analgésicos. Nega náuseas ou vômitos. Queixa‐se de perda ponderal de 30kg em 3 meses, associados a inapetência, disúria e poliúria. Nega tabagismo ou etilismo. Ao exame físico: Regular estado geral, prostrado, desidratado e emagrecido. Abdome plano e flácido, com desconforto à palpação difusa, principalmente em quadrante inferior direito. Submetido à tomografia computadorizada (TC) de abdome, a qual evidenciou presença de fístula perianal, interesfincteriana, simples, com origem às 2/3hs e exteriorização no sulco interglúteo. Enterorressonância magnética concluiu DII ativa em íleo distal e terminal, bem como presença de fístula em alça do íleo distal localizada na pequena pelve, drenando para tecido de aspecto inflamatório/coleção com focos gasosos de permeio, medindo cerca de 7,1 x 5,6 x 6,5cm (volume estimado 135mL), que determina estenose e dilatação do ureter direito. A coleção apresenta também aderência com a bexiga, determinando fístula na parede posterior à direita, assim como no reto, à 14cm da margem anal. Ainda, evidenciou‐se ureterohidronefrose à direita. Raio X de tórax sem alterações. Paciente encaminhado ao hospital para tratamento cirúrgico.

Discussão e Conclusão(ões): As fístulas entero‐vesicais são complicações raras da doença de Crohn (DC), possuindo incidência estimada em 2%. Acometem predominantemente o sexo masculino, 75% dos casos, e o quadro clínico cursa com sintomas de pneumatúria, fecalúria e sinais de infecção urinária. A TC é o método de escolha para revelar tais complicações urológicas. O tratamento é realizado com intervenção cirúrgica, preferencialmente, por via laparoscópica. A evolução costuma ser favorável e acompanhada de remissão da doença. A fístula entero‐vesical, apesar de rara em pacientes com DC, é uma complicação que requer diagnóstico e terapia imediata. A abordagem cirúrgica se faz necessária, com posterior controle clínico medicamentoso. A cirurgia ajuda a combater as consequências do trato urinário séptico, induz a remissão sustentada da DII e possui taxas extremamente baixas de recorrência. Portanto, frente a um paciente com tais complicações o tratamento cirúrgico deverá ser sempre considerado em associação ao medicamentoso.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools