Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 102 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 102 (October 2018)
P76
Open Access
RELATO DE CASO: CÂNCER DE CANAL ANAL COM RESPOSTA TARDIA À QUIMIOTERAPIA E RADIOTERAPIA
Visits
3135
Tatiana Mie Masukoa,b, Luana Bringhentia,b, Johanna Johanna,b, Marcos Guilherme Tibes Paulettia,b, Luciele Zibetti Albertona,b, Gabriela Ott Wagnera,b
a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil
b Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil
This item has received

Under a Creative Commons license
Article information
Full Text

Introdução: O tratamento do carcinoma do canal anal evoluiu nos últimos 30 anos. Até a década de 70, o tratamento era através de procedimentos cirúrgicos que removiam o esfíncter anal. Desde então, numerosos ensaios clínicos têm sido realizados, nos quais os pacientes são tratados com radioterapia e quimioterapia em diversos esquemas, sendo a cirurgia reservada para casos de falha ou com doença grave e destrutiva do esfíncter anal. Os Guidelines atuais recomendam avaliar resposta ao tratamento entre 8 a 12 semanas. Apresentamos aqui um caso de resposta tardia.

Descrição do caso: Paciente feminino, 55 anos, hipertensa, diabética e tabagista ativa. Há 6 meses com história de dor anal e aumento da frequência evacuatória, com sangramento eventual, associado a perda de 3kg. Ao exame proctológico, lesão a 2cm da margem anal em parede posterior, endurecida com cerca de 2,5cm. O estudo colonoscópico até a válvula ileocecal revelou‐se normal e foi realizado biópsia da lesão descrita, cujo anatomopatológico foi de carcinoma epidermoide invasor moderadamente diferenciado. Em exames de estadiamento, alteração em ressonância de pelve, espessamento e hipoecogenicidade do reto, terço médio/inferior, numa extensão de 3,8cm, espessura de 2,8cm e 2,3cm. Alguns linfonodos inguinais, bilateral. Em set/16 iniciou tratamento com 5‐FU e Cisplatina infusional e radioterapia com boost de radio após 54Gy (total 59,4Gy). Apresentava má adesão ao tratamento. Terminou as sessões em dez/16. No exame físico constatou‐se aumento da lesão. Em fev/17 tinha‐se plano de amputação abdominoperineal. Porém enquanto realizava exames pré‐operatórios, foi indicado cirurgia de revascularização miocárdica, mas paciente evadiu do hospital. Retornou em abril/17e realizou procedimento cardíaco. Em ago/17 não queria realizar cirurgia proctológica. Retornou em set/17 com desejo de realizar a cirurgia. Enquanto realizava avaliação pré‐operatória desistiu novamente. Em nov/17 foram realizadas biópsias, ausência de neoplasia em 9 amostras. Última consulta em jun/18, sem sinais de recidiva.

Discussão e conclusão: Ainda existem controvérsias sobre o melhor momento para se avaliar resposta ao tratamento com quimio e radioterapia. A recomendação é de que se avalie a resposta em 8 a 12 semanas, no nosso caso apresentou resposta completa bem mais tardia. Estudos recentes demonstram casos de regressão lenta e contínua por até 26 semanas, demonstrando que alguns pacientes acabam realizando cirurgia desnecessária.

Idiomas
Journal of Coloproctology
Article options
Tools