Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 102-103 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 102-103 (October 2018)
P77
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.220
Open Access
RELATOS DESAFIADORES DE NEOPLASIA COLORRETAL EM GESTANTES
Visits
...
Eduardo Brambilla, Alesandra Bassani, Marcos Antonio Dal Ponte, Rita de Cassia Costamilan
Hospital Geral de Caxias do Sul (HGCS), Caxias do Sul, RS, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A neoplasia colorretal durante a gestação é uma entidade rara, que teve seu primeiro registro na literatura em 1842 e atualmente alcança incidência anual em torno de um caso a cada 13.000 partos. Atraem atenção pela alta complexidade e também por serem situações dramáticas, em que o manejo envolve riscos para a gestante e para o feto.

Descrição dos casos:Primeiro caso: Gestante de 28 anos, na 26a semana de gestação, apresentando hematoquezia e alteração de hábito intestinal, com diarreia e constipação intercaladas. À colonoscopia, lesão vegetante, ulcerada e friável em reto médio, compatível com adenocarcarcinoma. Foi submetida à cesárea eletiva com 34 semanas pelo volume tumoral e sangramento. Um mês após o parto apresentou abscesso perianal e foi submetida à drenagem e confecção de ileostomia. Iniciou‐se terapia neoadjuvante (FOLFOX+radioterapia), e, após, retossigmoidectomia (yT3 yN0, R0). Seguiu com adjuvância, e, sem evidência de doença, realizou‐se o fechamento da ileostomia. Segundo caso: Gestante de 34 anos, 30 semanas de gestação, apresentando hematoquezia, diarreia, perda ponderal e dor pélvica. Ao toque retal, palpava‐se massa endurecida a 4cm da margem anal, confirmada pela colonoscopia ‐ lesão em reto médio – adenocarcarcinoma ulcerado, moderadamente diferenciado. Foi submetida à cesárea com 32 semanas por oligodramnia. Após resolução do período gestacional, encaminhada à neoadjuvância (capecitabina+radioterapia), que está em curso atualmente.

Discussão: As neoplasias colorretais assumem características especiais em gestantes, não havendo consenso entre a influência hormonal e evolução tumoral. Seu diagnóstico pode ser desafiador, sendo confundido muitas vezes com doença hemorroidária (assim como ocorreu com as pacientes relatadas), e pode ser tardio, já que muitos sinais e sintomas podem ser atribuídos à gestação, tais como sangramento digestivo baixo e alteração de hábito intestinal. Sendo assim, exame físico, colonoscopia e ressonância magnética são fundamentais. Intervenções de qualquer tipo precisam ser muito cuidadosas, tendo em vista a teratogenicidade. O tratamento é individualizado, assim como a via de parto, mas em geral opta‐se por cirurgia pós‐parto em caso de diagnóstico a partir do segundo trimestre.

Conclusão: O câncer colorretal é de baixa incidência em gestantes, com diagnóstico tardio, mas que necessita toda atenção tendo em vista o binômio materno‐fetal.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools