Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 46 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 46 (October 2018)
P177
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.098
Open Access
RESSECÇÃO DE CORDOMA SACRAL E RECONSTRUÇÃO COM ROTAÇÃO DE RETALHO MIOCUTÂNEO ABDOMINAL. UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR
Visits
...
Luana Bringhenti, Johanna Johann, Tatiana Mie Masuko, Luciele Zibeti Alberton, Gabriela Ott Wagner, Marcos Guilherme Tibes Pauletti
Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: O cordoma é uma neoplasia maligna da medula espinhal, localizada preferencialmente no sacro e de baixa prevalência na população geral. Relatamos um caso de cordoma sacral gigante com ressecção multidisciplinar, confecção de colostomia e rotação transperitoneal de retalho com o músculo reto abdominal para a cobertura da ferida sacral.

Descrição do caso: Paciente do sexo masculino com volumosa tumoração sacral com crescimento progressivo há um ano. Ressonância magnética da pelve e tomografia de coluna lombossacra demonstraram lesão de origem óssea com início em S3, sugestiva de cordoma, com abaulamento e deslocamento das estruturas vizinhas, mas sem invasão das mesmas. Foi realizada ressecção cirúrgica multidisciplinar (Neurocirurgia, Coloproctologia e Cirurgia plástica). Devido a grande extensão da lesão, foi programada confecção de retalho para o fechamento da ferida posterior pós ressecção. Foi optado pela rotação transperitoneal de retalho miocutâneo da parede abdominal. Em função do íntimo contato entre o tumor e a parede posterior do reto, preferiu‐se a abordagem abdominossacral para ressecção do tumor após a dissecção do reto. Optou‐se também pela secção do reto ao nível do promontório e confecção de colostomia terminal para evitar contaminação da ferida perineal com o retalho miocutâneo. A evolução pós‐operatória foi satisfatória e o paciente apresentou anestesia perineal transitória, resolvida após 5 dias de pós operatório. Não houve seqüelas motoras. Anatomo‐patológico e imuno‐histoquímica confirmaram o diagnóstico de cordoma e demonstraram margens de ressecção exíguas. Foi indicado resgate com radioterapia. Seis meses após a ressecção, paciente apresentou recidiva local.

Discussão: O cordoma é uma neoplasia de crescimento lento, mas com comportamento localmente agressivo, dificultando muitas vezes sua ressecção devido a proximidade com estruturas nobres como os nervos da cauda eqüina e o reto. Muitas vezes apresenta‐se como tumoração sacral muito volumosa, sendo necessárias ressecções mais extensas, comprometendo assim o fechamento primário da ferida e necessitando de retalhos ou enxertos para a adequada cicatrização. Por este motivo, a abordagem multidisciplinar mostra‐se essencial.

Conclusão: Mesmo com ressecções ampliadas e o avanço da radioterapia, a recidiva dos cordomas ainda é freqüente, indicando a necessidade de maior entendimento desta patologia para aprimoramento de suas alternativas terapêuticas.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools