Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 175-176 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 175-176 (November 2019)
534
Open Access
Resultados do tratamento das fístulas anais transesfincterianas pela técnica de lift
Visits
...
C.W. Sobrado, J.A.B. Hora, R.V. Pandini, S.C. Nahas, I. Ceconello
Hospital das Clínicas (HC), Faculdade de Medicina (FM), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Anorretais Benignas

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): O tratamento das fístulas perianais pode ser complexo, o objetivo principal é a cicatrização completa sem a recorrência da doença e sem causar incontinência, A técnica da ligadura interesfincteriana do trato fistuloso (LIFT) descrita em 2007 tem como vantagem a preservação esfincteriana e sucesso na cicatrização das fístulas. O objetivo deste estudo foi avaliar os resultados do LIFT nesta instituição em longo prazo

Método: Foram avaliados retrospectivamente 53 casos de fístulas transesfincterianas, no intervalo de 2010 a 2018 submetidos à técnica de LIFT. 02 pacientes tinham o diagnóstico de doença de Crohn, o seguimento médio global foi de 25 meses.

Resultados: A taxa de cicatrização foi de 71,5% no primeiro tempo, com a cicatrização completa em média com 6,3 semanas, 37% dos pacientes tinham tratamento prévio. Dos 15 casos de insucesso 8 foram para fistulotomia, 3 casos para passagem de sedenho, 1 caso de Re‐LIFT. A taxa de cicatrização após a segunda intervenção/tratamento atingiu 88,6%.

Conclusão(ões): As taxas de cicatrização na literatura do LIFT variam em torno de 57 a 94%. O tratamento da fístula anal transesfincteriana com a técnica de LIFT é eficiente, em nossa casuística com 71,5% de cicatrização, e com baixas taxas de complicações, sinus, manutenção da fístula. As recidivas ocorrem nos primeiros 6 meses de seguimento e alguns fatores associados são descritos: tratos secundários, tratos em fundo cego não identificados, o tamanho do trajeto, a localização do orifício interno, diabetes, tabagismo e obesidade, mas a recidiva quando presente geralmente se apresenta como fístulas simples (trajeto interesfincteriano), podendo ser tratada com posterior fistulotomia. O uso de seton prévio parece não influenciar as taxas de cicatrização. A alteração da continência fecal é rara e na maioria dos trabalhos relatadas como ausentes. CONCLUSÃO: A técnica de LIFT em nossa instituição provou ser segura e eficaz com taxa de cicatrização de 71,5% num primeiro tempo chegando até a 88,6% para fístulas anais transesfincterianas.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools