Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 112-113 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 112-113 (October 2017)
P‐091
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.092
Open Access
RETOCOLITE ULCERATIVA EM PORTADORES DE DOENÇA CELÍACA
Visits
...
Odery Ramos Júniora, Gabriela Piovezani Ramosa, Marcos Vinicius Nasser Holzmanna, Fabiana Rochaa, Ana Helena Bessa Gonçalves Vieirab, Eduardo Endob, Antônio Carlos Trottab
a Faculdade Evangélica do Paraná (Fepar), Curitiba, PR, Brasil
b Hospital Universitário Evangélico de Curitiba (Huec), Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A retocolite ulcerativa inespecífica (RCUI) é reconhecida pelo seu mecanismo autoimune. A sua prevalência em portadores de doença celíaca (DC) é incomum.

Descrição do caso: Feminina, 22 anos, apresentava quadro de diarreia com sangue e dor abdominal havia duas semanas. Portadora de DC e hipotireoidismo (HT) desde a infância, controlados por dieta sem glúten e levotiroxina. Apresentava palidez cutaneomucosa e dor à palpação abdominal sem sinais de irritação peritoneal. Anemia e proteína C reativa elevada. Colonoscopia mostrou colite ulcerativa moderada a grave (Mayo 3) nas regiões de reto, sigmoide e cólon descendente. Apresentou boa resposta com uso de mesalazina e corticosteroide. Durante acompanhamento ambulatorial reativou, apresentou diarreia com muco, pus e sangue e atualmente encontra‐se com controle clínico e endoscópico sob o uso de 5‐ASA e azatioprina. Mantém sorologia para DC negativa e biópsia de duodeno normal.

Discussão: O diagnóstico de RCUI foi confirmado do ponto de vista clínico, endoscópico e histológico, apresentou bom controle com a terapêutica convencional. Portadores de DC têm risco de 3,2% de desenvolver RCUI, em especial mulheres e com maior gravidade da lesão intestinal. Pacientes com RCUI apresentam 1,9% de chance de apresentar HT. Tanto a DC como a HT parecem ter seu diagnóstico precoce em relação à RCUI, como visto no relato. A concomitância das patologias encontradas é provavelmente pela resposta imunológica Th2 presente nessas situações. Devido a infrequente associação, não é rotina o rastreio da RCUI em portadores de DC.

Conclusão: Apesar de raro, este caso demonstra a associação de DC e RCUI. A DC pode apresentar maior risco de desenvolver doenças inflamatórias intestinais e deve‐se estar atento ao diagnóstico diferencial na persistência de sintomas de diarreia apesar da restrição ao glúten.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools