Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 69 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 69 (October 2017)
V5‐47
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.289
Open Access
RETOPEXIA VENTRAL LAPAROSCÓPICA PARA PROLAPSO RETAL
Visits
...
Gabriel Braz Garcia, Renato Gomes Campanati, Gabriela Maciel Cordeiro, Rodrigo Gomes da Silva, Adriana Cherem Alves, Antônio Lacerda Filho
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: O prolapso retal representa condição mórbida com múltiplas abordagens descritas para seu tratamento cirúrgico, apresenta taxas de recorrências significativas. A retopexia ventral laparoscópica é uma técnica abdominal recentemente descrita que possibilita a correção dos compartimentos pélvicos posterior e médio e possibilita o tratamento de retocele associada. No presente vídeo, demonstramos a feitura de uma retopexia ventral, com promontofixação através de tela de polipropileno.

Descrição do caso: Paciente, com 61 anos, queixava‐se de prolapso retal à evacuação havia dois anos, de aproximadamente 10cm, com redução espontânea, associado a secreção anal e prurido. História pregressa de colecistectomia laparoscópica e o antecedente gineco‐obstétrico é descrito como um parto vaginal não complicado. Colonoscopia não identificou alterações e manometria apontou pressões esfincteriana internas e externas reduzidas. Paciente foi submetida a retopexia ventral laparoscópica, usou‐se tela de propileno não absorvível para promontofixação, sem intercorrências maiores. Segue em acompanhamento ambulatorial, com melhoria sintomática e sem evidências de recorrência após seis meses do procedimento.

Discussão: A cirurgia para prolapso retal objetiva a correção do defeito anatômico e melhoria de possíveis distúrbios associados como incontinência ou constipação. A retopexia ventral laparoscópica tem se tornado o procedimento padrão à medida que é capaz de tratar outros distúrbios do assoalho pélvico associados, como a retocele. Apresenta ainda baixas taxas de conversão e recorrência estimadas em 8,2% em 10 anos. A uso de material não absorvível é possível, uma vez que não está associado a maiores complicações.

Conclusão: A retopexia ventral laparoscópica representa um método seguro e factível na correção de distúrbios do assoalho pélvico, como prolapso retal, apresenta desfechos favoráveis em longo prazo, com complicações cirúrgicas mínimas.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools