Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 174-175 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 174-175 (October 2018)
VL24
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.376
Open Access
RETOSSIGMOIDECTOMIA LAPAROSCOPICA COM ANASTOMOSE COLORRETAL ULTRA BAIXA POR NEOPLASIA DE RETO DISTAL
Visits
...
Danilo Daud, Natalia Barros Pinheiro
Hospital Sírio‐Libanês, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Em 2009, Ramos et al. mostrou que a ressecção anterior do reto baixa ou ultrabaixa com excisão total do mesorreto e preservação dos nervos pélvicos, seguida de anastomose colo‐anal com bolsa colônica em J por duplo grampeamento, é vista como “padrão ouro” desse inicio do milênio para o tratamento do câncer colorretal.

Resumo clinico: Masculino, 80 anos, apresenta há cinco meses sangramento retal cuja colonoscopia evidenciou uma lesão neoplásica a cerca de 6cm da margem anal. Relata ter sido submetido a prostatectomia robótica por neoplasia de próstata em 2015. O estadiamento foi realizado com tomografia computadorizada de tórax que evidenciou raros micronódulos pulmonares esparsos, um calcificado (sequelar) no lobo inferior esquerdo e os demais sem calcificações, inespecíficos, ressonância magnética do abdome e pelve onde obervou‐se uma formação cística com paredes discretamente espessadas, medindo 4,3cm, junto aos vasos ilíacos à direita, sugestiva de linfocele; lesão expansiva polipoide, localizada na parede anterior do reto (11 hr a 1 hr), que dista 5,5cm da borda anal e a sua margem distal está localizada cerca de 2,0cm do anel anorretal e tem extensão longitudinal de 4,0cm e sua margem cranial está localizada abaixo da reflexão peritoneal. A lesão estende‐se por 10mm além da camada muscular (rmT3c), sendo visualizado um linfonodo mesorretal discretamente heterogêneo, suspeito (rmN1). A porção mais infiltrativa da lesão está localizada à 1 hora e tem distância mínima de 2mm para a fáscia mesorretal. A fáscia mesorretal está livre. Existem sinais de invasão vascular extramural de veias de médio calibre. Não se identificam linfonodos laterais pélvicos suspeitos. O CEA era 14 microgramas/L.

Impressão e conduta: Trata‐se de um paciente idoso, com adenocarcinoma de reto baixo cT3N1 (linfonodo contido na fáscia mesoretal). Discutido amplamente com o paciente e sua família sobre os pros e contras entre o tratamento neoadjuvante versus tratamento cirúrgico, onde em conjunto com a oncologia foi optado pela retossigmoidectomia laparoscópica com confecção de ileostomia protetora temporária. Realizado retossigmoidectomia por via laparoscópica com anastomose colorretal ultrabaixa com linfadenectomia e confecção de ileostomia protetoria. Evolui bem sem intercorrências com alta no 7 PO para seguimento ambulatorial.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools