Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 133 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 133 (October 2017)
P‐140
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.141
Open Access
RETOSSIGMOIDECTOMIA PERINEAL À ALTEMEIER COMO OPÇÃO PARA TRATAMENTO DE PROCIDÊNCIA RETAL EM IDOSOS: RELATO DE CASO
Visits
...
Marlon Moda, Vinícius Vendites Minossi, Marcela Maria Silvino Craveiro, Ednir de Oliveira Vizioli, Walmar Kerche de Oliveira, Luiz Henrique Cury Saad
Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Botucatu, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Procidência retal é a protrusão de todas as camadas do reto através do orifício anal que formando uma hérnia por deslocamento através do diafragma pélvico. É mais incidente em idosos do sexo feminino e, comumente, está associada à incontinência fecal e ao sangramento anal. A retossigmoidectomia perineal à Altemeier é uma das opções cirúrgicas para sua correção e consiste na excisão do reto e uma porção do sigmoide em todas as suas camadas.

Descrição do caso: Paciente feminina, 92 anos, hipertensa, queixava‐se de abaulamento em região anal havia cinco anos com pioria ao esforço abdominal e com necessidade de redução manual. Apresentou diversos episódios de sangramento e havia um ano iniciara incontinência fecal. Ao exame físico apresentava protrusão retal de 20cm à manobra de Valsava. Feita colonoscopia que não evidenciou alterações, foi submetida à retossigmoidectomia perineal à Altemeier com ressecção de cerca de 20cm de reto e cólon sigmoide e feitura de anastomose cólon‐anal. Apresentou boa evolução pós‐operatória, teve alta hospitalar no terceiro dia e dez meses após o procedimento cirúrgico encontra‐se sem recidiva da doença e com continência para fezes e flatos.

Discussão: A escolha do procedimento a ser usado na procidência retal é discutível, já que nenhuma técnica é completamente eficaz. Existem técnicas abdominais e perineais, de execução mais simples e sem necessidade de anestesia geral, indicadas para pacientes de maior risco cirúrgico e anestésico. Em nossa paciente, a técnica usada demonstrou ser a mais adequada, já que não apresentou recidiva até 10 meses e tratava‐se de paciente idosa.

Conclusão: A retossigmoidectomia perineal à Altemeier demonstrou‐se um tratamento seguro e eficaz para pacientes idosos e com comorbidades, visto que é relativamente indolor, não necessita de anestesia geral, demanda de um curto período de internação e tem um alto índice de sucesso.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools