Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 235 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 235 (November 2019)
582
Open Access
Retossigmoidectomia Videolaparoscópica com anastomose coloanal retardada para tumores do reto
Visits
...
Baraúna Fb, de Barcelos If, Kotze Pg, Miranda Ef, Ropelato Rv, Romero Rk
Hospital Universitário Cajuru (HUC), Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Área: Cirurgia Minimamente Invasiva, Novas técnicas cirúrgicas/Avanços Tecnológicos em Cirurgia Colorretal e Pélvicas e Anorretais

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Vídeo Livre

Objetivo(s): Neste vídeo demonstra‐se a utilização da cirurgia videolaparoscópica, com retirada da peça via transanal, associada à preservação esfincteriana e realização de uma anastomose coloanal retardada, sem necessidade de derivação protetora, em um paciente com tumor do reto, submetido a neoadjuvância.

Descrição da técnica: Foi realizada retossigmoidectomia videolaparoscópica, com ligadura da artéria e veia mesentéricas inferiores e dissecção com excisão total do mesorreto até abaixo da reflexão peritoneal, além de liberação do ângulo esplênico do cólon. Por via transanal foi realizada preservação esfincteriana e do canal por cerca de 3cm, e dissecção do reto até o encontro da dissecção realizada via intraperitoneal. Foi realizada mobilização do cólon descendente e do ângulo esplênico e abaixamento do cólon por dentro do canal anal, cuja mucosa ficou preservada nos últimos 3 centímetros. Retirada da peça incluindo‐se o tumor. O cólon permaneceu exteriorizado e fixado à pele do períneo. Após 7 a 10 dias, o cólon foi seccionado à altura da margem anal e foi então realizada a anastomose coloanal manual.

Discussão e Conclusão(ões): A importância da radicalidade no tratamento cirúrgico para o câncer do reto vem sendo exaustivamente discutida desde a descrição da amputação abomino‐perineal por Milles, e intensificada a partir da excisão total do mesorreto descrita por Heald. Porém, com o advento de novas tecnologias e da neoadjuvância, houve tendência a realização de cirurgias mais preservadoras, que resultam em melhor qualidade de vida dos pacientes. O paciente em questão tinha 42 anos, era jogador de futsal profissional, foi submetido a neoadjuvância e se beneficiou de uma cirurgia videolaparoscópica e sem estoma protetor. A técnica descrita fornece um bom tratamento a pacientes com tumores do reto, de forma laparoscópica, com preservação esfincteriana e sem necessidade de estoma protetor.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools