Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 132-133 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 132-133 (November 2019)
247
Open Access
Síndrome de fournier após drenagem de abscesso perianal
Visits
...
G. Bauma, B.S. Charaa, C. Theisb, M. Pilattib, N.H. Monfredinia, V.C. Theodorovitza
a Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE), Joinville, SC, Brasil
b Hospital Municipal São José, Joinville, SC, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Infecciosas

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): A síndrome de Fournier ou fasciíte necrotizante (FN), é uma patologia de alta morbimortalidade, caracterizada por necrose extensa e rapidamente progressiva. Acomete a fáscia muscular e tecido celular subcutâneo. A taxa de mortalidade varia de 13-76%, sendo relacionado com o diagnóstico precoce e abordagem cirúrgica no tempo correto, para tanto, trata-se de uma urgência cirúrgica necessitando de tratamento preciso associado a uso de antibioticoterapia de amplo espectro. Este trabalho trata-se de um relato de caso de paciente com FN com evolução para choque séptico e posterior alta pós enxerto.

Descrição do caso: Paciente masculino, 49 anos, busca atendimento devido a quadro de edema e dor perianal há dois dias. Ao exame físico apresentava-se com hemorroidas internas grau 4, e abscesso em região glútea esquerda, com presença de sinais flogísticos na face interna de glúteo esquerdo que se estendiam até região perineal. Optado por drenagem de abscesso perianal em centro cirúrgico, paciente evoluiu para choque séptico, sendo iniciado ampicilina+sulbactam e encaminhado a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Evoluiu com quadro de delirium e permaneceu com instabilidade hemodinâmica, sendo realizada tomografia computadorizada de pelve, evidenciando presença de gás no interior da hemibolsa esquerda, ascendendo pelo canal inguinal e densificação difusa de gordura subcutânea em glúteos, quadris e porções laterais da parede abdominal. No mesmo dia foi realizado desbridamento da região devido à evolução para FN. Dois dias após foi necessário novo desbridamento; guiado por cultura escalonou-se antibiótico para meropenem. Devido ao quadro arrastado, o paciente foi submetido a uma colostomia em alça protetora. Três dias após a realização da colostomia o paciente foi extubado e manteve-se em UTI. Ao 25° dia de UTI ganhou alta para setor de cirurgia geral. No 40° dia de internação o paciente foi submetido a cirurgia de rotação de retalho em bolsa escrotal e sutura de região inguinal a esquerda para correção da necrose e após 5 dias do enxerto, devido a boa evolução, teve alta hospitalar.

Discussão e Conclusão(ões): A síndrome descrita é de grande relevância clínica por sua evolução rápida e progressiva. Esse quadro é mais comumente visto em pacientes do sexo masculino. Geralmente é uma infecção polimicrobiana composta por bactérias aeróbicas e anaeróbicas que normalmente não são patogênicas, mas dependendo da imunidade do paciente torna-se causa da patologia. Pode levar a septicemia, falência múltipla de órgãos e até a morte. Seu tratamento é o desbridamento cirúrgico e antibioticoterapia intensa. Portanto, FN é uma condição gravíssima, que pode evoluir com destruição de forma irreversível dos tecidos devido a disseminação da infecção através dos planos musculares e fasciais, evoluindo com amputação de membros e até óbito. O diagnóstico precoce, associado ao tratamento cirúrgico é fundamental, minimizando assim o potencial para uma evolução desfavorável.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools