Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 133 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 133 (November 2019)
503
Open Access
Síndrome pash em associação a doença pilonidal: relato de caso
Visits
...
M.C. Rodrigues, F. Balsamo, S.D.F. Boratto, S.H.C. Horta, D.F. Santos, D.F. Santos, R.L.G. Slaibi
Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), Santo André, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Miscelâneas

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Nosso objetivo é relatar um caso de síndrome PASH associado a cisto pilonidal sacrococcígeo recidivante.

Descrição do caso: Masculino, 21 anos de idade, encaminhado há 3 anos por quadro de nodulação sacrococcígea de 5cm com sinais flogísticos locais compatível com doença pilonidal. Estava em acompanhamento com equipe da dermatologia por lesões supurativas em axila e região inguinal suspeita de HS em tratamento com antibióticos tópicos e submetido à drenagens cirúrgicas. As lesões axilares foram biopsiadas e confirmou‐se a presença de PG. Apresentava ainda lesões em nádegas com aspecto sugestivas de HS e lesões acneicas em face. Referia hábito intestinal a cada um a dois dias, sem sintomas intestinais. Foi submetido a colonoscopia pré‐operatória que demonstrou mucosa ileal com hiperemia e aspecto granulomatoso cuja biópsia demonstrou ileíte crônica intensa com agregados linfoides reacionais. Exame radiográfico de trânsito intestinal sem anormalidades. Exames laboratoriais com VHS 51mm PCR 3,3mg/L. Iniciado tratamento para HS com Adalimumabe em associação a corticoide oral para tratamento do PG com remissão lenta de ambos. O cisto pilonodal foi tratado cirurgicamente com incisão e curetagem. Evoluiu com recidiva da doença pilonidal, sendo submetido a novo procedimento de incisão e curetagem do cisto após 4 meses. O tratamento das lesões axilares e inguinais foi complementado pela equipe de cirurgia plástica com a ressecção das lesões e confecção de enxerto de pele. Atualmente mantém tratamento com imunobiológico e corticoide em desmame com ferimentos axilares e inguinais epitelizados em processo cicatricial, sem recidiva da doença pilonidal.

Discussão e Conclusão(ões): Mutações genéticas já foram identificadas na patogênese da síndrome PASH. A mutação do gene PSTPIP1 leva a um aumento da proteína caspase‐1 com produção exagerada das citocinas pró‐inflamatórias, especialmente a interleucina‐17 que ativa e recruta os neutrófilos3. Frente a quadro de doença inflamatória cutânea associada a quadro clínico pilonidal devemos sempre estar atentos ao quadro clínico do paciente como um todo, avaliando‐o completamente e não somente em relação à queixa principal durante o atendimento. A recidiva pilonidal parece estar relacionada a algum fator inflamatório presente na pele visto que o paciente diagnosticado com síndrome PASH e cicatrizou completamente com o avanço do tratamento clínico.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools