Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 98 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 98 (October 2017)
P‐057
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.058
Open Access
SUBVALORIZAÇÃO DAS QUEIXAS INICIAIS DE PACIENTES COM CÂNCER
Visits
...
Priscila Oliveira Cardosoa, Luciana Maria Pyramo Costab, Mateus Sewastjanow Silvaa, Marco Antônio Miranda Silveirab, Marina Varella Braga de Oliveirac, Jessica Gerundi Guimarãesc, Andy Petroianua
a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
b Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg), Belo Horizonte, MG, Brasil
c Hospital Alberto Cavalcanti (HAC), Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Belo Horizonte, MG, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: O câncer pode revelar‐se de maneira insidiosa ou abrupta, surpreender o paciente e até o médico. A demora no diagnóstico implica abordagem terapêutica mais agressiva, diminui a possibilidade de tratamentos mais conservadores e altera a expectativa de vida.

Objetivo: Verificar se pacientes com câncer avançado procuraram atendimento médico no início de seu quadro clínico; se suas queixas iniciais foram investigadas pelos primeiros médicos que os atenderam; prováveis fatores responsáveis pelo avanço do câncer.

Método: Foram feitas 396 entrevistas, de setembro de 2006 a maio de 2007 e janeiro de 2015 a julho de 2016. Não houve seleção dessa população por faixa etária, sexo ou cor da pele. Parâmetros avaliados: tempo de início das queixas, sintomas e sinais relacionados à neoplasia e seu tempo de início até a procura por assistência médica, diagnóstico e orientações recebidas, história pessoal e familiar de câncer. Após ser aplicado o questionário, o diagnóstico e o estadiamento do câncer foram pesquisados nos prontuários.

Resultados: Mais de 70% dos pacientes procuraram atendimento médico em até seis meses após o início dos sintomas. No entanto, 37,2% procuram assistência médica já passados mais de um mês de sintomatologia. Apesar de 77,8% dos pacientes considerarem que foram bem atendidos pelo primeiro médico assistente, 40,9% deles consideraram que houve atraso no diagnóstico da neoplasia. A renda mensal familiar é menor no grupo com diagnóstico de metástase. Há uma correlação entre o tempo de início das queixas com o diagnóstico de metástase.

Conclusão: A demora do paciente na busca pela assistência médica e a dificuldade do médico da assistência primária de saúde de encaminhar o paciente para avaliação subespecializada estão incluídas entre os prováveis fatores responsáveis pelo avanço do câncer.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools