Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 215 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 215 (November 2019)
739
Open Access
Taxa de detecção de adenomas colorretais aumenta com criação de serviço ambulatorial de coloproctologia
Visits
...
F.H. Oliveira, R.C. Dias, F.E.F. Rabelo
Universidade Federal de São João del-Rei, Divinópolis, MG, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré-malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): Avaliar a Taxa de Detecção de Adenomas (TDA) colorretais após a criação de ambulatório universitário de coloproctologia.

Método: Este é um estudo observacional, retrospectivo e descritivo, para avaliar a Taxa de Detecção de Adenomas (TDA) colorretais, associando-a à faixa etária e o sexo dos indivíduos. Foram criados 2 grupos. Grupo A, aqueles referentes ao período de janeiro de 2013 a dezembro de 2017, época que não havia serviço ambulatorial universitário de coloproctologia e Grupo B, contemplando janeiro de 2018 a maio de 2019, quando o serviço já estava estruturado. TDA é a percetagem de adenomas, histologicamente comprovada, encontrada nas colonoscopias desempenhadas em um serviço. As colonoscopias analisadas foram realizadas por dois coloproctologistas e os pacientes foram selecionados por meio do laudo, na qual cita-se a presença de pólipos ou lesões plano-elevadas. Os exames histopatológicos também foram recuperados. Foram critérios de exclusão: diagnóstico prévio de neoplasia colorretal, exames incompletos, polipectomias não realizadas, pólipos não recuperados e indisponibilidade dos resultados histopatológicos.

Resultados: Aplicados os critérios de exclusão, 130 pacientes foram retirados do grupo A, que passa a ter um (n=776) e 152 do Grupo B, constituíndo (n=276). O Grupo A possui 274 pacientes do sexo masculino e 502 do sexo feminino. Em 199 deles foram identificados pólipos, 7 amostras entre as mulheres e 4 entre os homens não correspondiam a adenomas. No sexo masculino, 88 possuíam pólipos, o que é equivalente a 32,1%. Em relação ao sexo feminino, a detecção de pólipos ocorreu em 100 exames, correspondendo a 19,9%. No sexo feminino encontram-se: 28 pólipos hiperplásicos (28%); 4 pólipos inflamatórios (4%); 1 hamartoma (1%); 51 adenomas tubulares (51%); 9 adenomas túbulo-vilosos (9%); 4 adenomas vilosos (4%); e 3 adenomas serrilhados (3%). Já no sexo masculino, constatou-se: 19 (21,6%) pólipos hiperplásicos; 7 (7,9%) pólipos inflamatórios; 47 (53,4%) adenomas tubulares; 8 (9,1%) adenomas túbulo-vilosos; 1 (1,1%) adenoma serrilhado; e em 6 (6,8%) pólipos o resultado correspondia a uma neoplasia maligna. TDA=15,8% No grupo B, de 276 colonoscopias analisadas, 95 do sexo masculino e 181 do sexo feminino, foram identificados 104 pólipos (37,6%), sendo 57 no sexo feminino (31,4%) e 47 no sexo masculino (49,4%). Dentre esses, no sexo encontraram-se: 13 pólipos hiperplásicos (30,2%), 2 pólipos inflamatórios (0,04%), 21 adenomas tubulares (48,8%), 8 adenomas túbulo-vilosos (18,6%), 1 adenoma serrilhado (0,02%) e 4 correspondiam a doença inflamatória (0,09%). Em indivíduos do sexo masculino, foi constatado: 6 pólipos hiperplásicos (17,1%), 21 adenomas tubulares (60%), 10 adenomas túbulo-vilosos (28,5%), 1 adenoma serrilhado (0,02%), 3 correspondiam a doença inflamatória (0,08%) e 1 a neoplasia maligna (0,02%). TDA=22,4%.

Conclusão(ões): A Taxa de detecção de adenomas aumentou com a criação de serviço ambulatorial de coloproctologia.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools