Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 36 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 36 (October 2018)
P158
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.077
Open Access
TOQUE RETAL X MANOMETRIA ANORRETAL: COMPARAÇÃO DO TÔNUS DO ESFÍNCTER ANAL EM PACIENTES DE UM HOSPITAL GERAL DE SALVADOR‐BA EM PRÉ‐OPERATÓRIO DE FISTULECTOMIA
Visits
...
Henrique Moura Parreira, Jamille Eller Andrade Batista, Andre Luiz Santos, Liane Vanessa Zachariades Santos Goes, Antônio Carlos Moreira de Carvalho, Carlos Ramon Silveira Mendes
Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), Salvador, BA, Brasil
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Full Text

Introdução: As fístulas perianais se caracterizam como um pertuito anormal comunicante entre a porção terminal do intestino grosso e um orifício externo na pele. Infecções criptogandulares, frequentemente, podem evoluir na fase aguda com abscessos perirretais e, quando crônicas, fístulas perinanais. Afecção pouco corriqueira do trato gastrointestinal acometendo comumente adultos jovens com uma prevalência de 0,01% na população geral, duas vezes mais comum no sexo masculino.1 A manometria anorretal quantifica a função tônica e de contração do esfíncter anal, avalia o reflexo anorretal e a sensibilidade retal.2

Objetivo: Comparar o tônus do esfíncter anal no toque retal e na manometria anorretal, em pacientes portadores de fístula perianal, em pré‐operatório.

Métodos: Estudo retrospectivo, entre maio de 2015 e maio de 2017, com 28 portadores de fístula perianal, submetidos a toque retal e manometria anorretal.

Resultados: A idade média foi de 44,7 anos (desvio padrão 13,9). O sexo masculino correspondeu a 64,3%. Ao toque retal, 2 pacientes (7,1%) apresentaram hipertonia ao toque retal, já ao exame de manometria anorretal, 17 apresentaram hipertonia (60,7%), porém não houve significância estatística (p=0,23). Avaliando a hipotonia, 4 pacientes (14,2%) apresentaram ao toque retal, e 5 pacientes (17,9%) ao exame manométrico, também não apresentando significância estatística (p=0, 0,06).

Conclusão: A correlação entre os dados manométricos e os achados no toque retal em pacientes portadores de fístula são variáveis independentes.

Referências
[1]
G.D. Souza, L.R.Q. Souza, R.M. Cuenca, G.M. Souza, J.M.I. Oliveira.
Avaliação pré‐operatória de fístula perianal: importância da ressonância magnética.
Rev Med Saude Brasilia, 4 (2015),
[2]
C. Zaslavsky, C.A. Nunes.
Estudo descritivo dos exames de manometria anorretal realizados no laboratório de motilidade digestiva da Santa Casa de Misericórdia, Porto Alegre, Brasil.
Rev AMRIGS, 60 (2016), pp. 309-313
Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools