Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 157-158 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 157-158 (October 2017)
P‐196
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.197
Open Access
TRATAMENTO CIRÚRGICO DA INÉRCIA COLÔNICA
Visits
...
Marllus Soares, Augusto Claudio de Almeida Tinoco, Glaucio da Costa Boechat, Bruno Bastos Ferreira, Matheus de Paula Netto, Pedro Henrique Gentil
Hospital São José do Avaí (HSJA), Itaperuna, RJ, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A inércia colônica é condição que se apresenta com trânsito intestinal lento em todo trajeto do intestino grosso, leva a constipação intestinal crônica e grave, é diagnóstico de exclusão. Corresponde a cerca de 3% dos quadros de constipação crônica, afeta principalmente mulheres jovens (20‐30 anos). Tem fisiopatologia ainda não muito bem definida e seu diagnóstico se dá após investigação completa de outras causas de constipação intestinal. Tem como quadro clínico marcante a grave constipação, podem ocorrer cerca de uma a duas evacuações por mês, distensão abdominal, náuseas e dor abdominal. O diagnóstico é feito após intensa investigação das causas secundárias de constipação, como alterações dietéticas, hábitos de evacuação, medicações de uso crônico, causas obstrutivas, megacólon, distúrbios do assoalho pélvico, causas endócrino‐metabólicas, alterações neurológicas e psiquiátricas. Entre os exames diagnósticos principais para o desfecho diagnóstico, usamos a manometria anorretal (estudo funcional do ânus e do reto), a defecografia (avalia alterações morfofuncionais da pelve e do segmento anorretal, exclui assim a síndrome da defecação obstruída) e a radiografia de tempo de trânsito colônico, na qual podemos confirmar se existe diminuição significativa e patológica do número de contrações colônicas.

Relato do caso: Mulher de 68 anos, branca, hipertensa, diabética, com quadro de constipação intestinal crônica havia cerca de 20 anos, apresentava queixa de dor abdominal recorrente de forte intensidade e distensão abdominal. Paciente preenchia os critérios de Roma para constipação, uma vez que fazia esforço evacuatório, fezes endurecidas, fezes fragmentadas e sensação de evacuação incompleta em mais de 25% das evacuações, além de apresentar evacuação em média a cada 14 dias. Fazia uso contínuo de laxativos orais, supositórios, fleet.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools