Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 90 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 90 (November 2019)
402
Open Access
Tratamento da retite actinica com eletrocoagulação bipolar: relato de caso
Visits
...
M.M.P.D. Alencar, A.C.D. Aquino, C.D.D.C. Silva, J.A.G. Bandeira, J.S. Duarte, D.M.C. Junior, I.A.D. Oliveira
Hospital Regional de Juazeiro, Juazeiro, BA, Brasil
Article information
Full Text

Área: Métodos complementares diagnóstico e terapêutica

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Neste relato, os autores descrevem o caso de um paciente com retite actínica moderada submetido a eletrocauterização bipolar. Método de baixo custo e fácil acesso.

Descrição do caso: G.M.S., 66 anos, masculino, submetido à radioterapia entre abril e setembro de 2017 para tratamento de adenocarcinoma de próstata. Compareceu ao serviço de Coloproctologia em setembro de 2018, por quadro de hematoquezia ao evacuar há 5 meses, com maior frequência nos últimos 02 meses. Referia ritmo intestinal diário. Ex‐tabagista, diabético, com história familiar negativa para câncer colorretal. Encontrava‐se em bom estado geral, com avaliação cardiorrespiratória e abdominal normais. Exame proctológico com inspeção normal, ao toque: esfincter normotônico, sem massas, mucosa lisa, com sangue em dedo de luva. Submetido à colonoscopia em 14/09/2018, que visualizou múltiplas angiectasias em reto inferior, ocupando mais de 50% da circunferência, sem sangramento ativo, sendo realizada eletrocoagulação com cateter bipolar (na potência de 10W com duração de 2 segundos cada). Retossigmoidoscopia flexível(RSF) de controle solicitada após 30 dias, notou‐se uma redução das angiectasias, ocupando 20% da circunferência, sem sangramento, sendo realizada nova eletrocoagulação com cateter bipolar.

Discussão e Conclusão(ões): A retite actínica pode ocorrer em 5% a 20% dos pacientes, submetidos à radioterapia pélvica para câncer de próstata, reto, útero, colo do útero, entre outros. Pode ocorrer até três meses do início da radioterapia e é caracterizada por um processo inflamatório apenas da mucosa. Os sintomas incluem náuseas, dor retal, diarreia, cólicas, tenesmo, urgências evacuatórias e descarga de muco. A retite aguda não aumenta o risco de retite crônica e geralmente é autolimitada com a descontinuação da radioterapia. A proctopatia actínica crônica pode começar na fase aguda, mas os sintomas surgem de 8‐12 meses após o término da radioterapia. Zinicola et al. sugeriram uma graduação endoscópica utilizando‐se três parâmetros: extensão do comprometimento retal pelas telangiectasias, porcentagem da circunferência retal comprometida pelas mesmas, assim como, a presença de sangramento. A somatória dos pontos referentes aos parâmetros define a retite em grau A ou leve (2 pontos), grau B ou moderada (3 pontos) e grau C ou intensa (4‐5 pontos). A gravidade é diretamente proporcional à dose recebida, ao seu volume, ao número de frações e ao espaçamento entre elas. Não existe consenso para o manejo desta condição. Pode‐se usar medicação para alívio dos sintomas como enema com corticoides e sulfassalazina. Dentre os tratamentos endoscópicos, citamso a eletrocauterização bipolar ou com plasma de argônio. O uso de oxigênio hiperbárico e a aplicação de formalina também já se mostraram úteis. Apesar da terapia endoscópica com o plasma de argônio ser atualmente a preferida por muitos endoscopistas, utilizamos uma técnica de baixo custo quando comparada ao plasma de argônio e com resultados semelhantes, além de fácil aplicabilidade.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools