Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 51 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 51 (October 2018)
P186
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.108
Open Access
TRATAMENTO DE PROLAPSO RETAL EM PACIENTE PORTADOR DE MIELOMENINGOCELE
Visits
...
Eduardo Endo, Henrique Luckow Invitti, Rafael Augusto Ioris, Rodnei Bertazzi Sampietro, Ana Helena Bessa Gonçalves Vieira, Sérgio Brenner, Rubens Valarini
Hospital Universitário Evangélico de Curitiba (HUEC), Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Prolapso retal é a exteriorização do reto através do orifício anal. Está associado a condições que aumentem a pressão intra‐abdominal, transtornos anatômicos ou funcionais do assoalho pélvico e até mesmo decorrente de infecções parasitárias intestinais. Além disso, condições neurológicas como trauma pélvico‐lombar, síndrome da cauda eqüina, tumores espinhais, esclerose múltipla e mielomeningocele também estão associadas.

Descrição do caso: Paciente L.E.M., 17 anos, masculino, atendido no ambulatório de coloproctologia do Hospital do Rocio em Campo Largo‐PR, com diagnóstico de prolapso retal há 2 anos com exteriorização cada vez mais frequente. Portador de hipertensão arterial sistêmica e mielomeningocele. Cadeirante. Submetido a diversos procedimentos cirúrgicos neurológicos e ortopédicos. Ao exame físico evidenciado prolapso total de reto. Indicado tratamento cirúrgico, optado‐se pela técnica de Altemeier. O paciente teve boa evolução e segue acompanhamento ambulatorial.

Discussão: Mielomeningocele é um defeito da coluna e medula espinhal resultante do fechamento incompleto durante a gestação. O paciente apresenta inversão do reflexo anal, decorrente da preservação funcional do esfíncter interno, ao passo que o externo é completamente disfuncional. Por sua condição, a maioria dos pacientes é acamada, tornando‐se constipada cronicamente, agravando ainda mais o quadro. Condições anatômicas como má fixação posterior do reto ao sacro também são agravantes. O diagnóstico do prolapso retal é clinico. Outros exames, como colonoscopia, servem para excluir condições coexistentes. O tratamento não operatório, biofeedback, produz apenas alivio temporário e sintomático. O tratamento de escolha é operatório. A técnica escolhida neste caso foi a retossigmoidectomia perineal (Altemeier, 1952), apresentando bom resultado. Na literatura não há trabalhos mostrando estatisticamente a correlação apurada de mielomeningocele e prolapso retal, apesar de conhecida como fator causal. Também não há consenso sobre a melhor técnica cirúrgica.

Conclusão: É importante considerar a hipótese de prolapso em pacientes portadores de mielomenigocele. O tratamento é cirúrgico, sendo abordagem perineal versus abdominal discutível.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools