Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 47 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 47 (November 2019)
338
Open Access
Tuberculose anal – um novo desafio para o proctologista?
Visits
...
M.D.B. Franchini, M.R.M.S. Ramos, A.C. Miranda, A.U. Marques, D.M.R. de Souza, B.N. Moreira, L.F. Valentim
Hospital Municipal da Piedade, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Article information
Full Text

Área Doenças Infecciosas

Categoria Relatos de caso

Forma de Apresentação Pôster

Objetivo(s) Relatar um caso de tuberculose com acometimento anorretal e mostrar a dificuldade no diagnóstico da patologia.

Descrição do caso Paciente masculino, C.D.S, 54 anos, natural do Rio de Janeiro, deu entrada no ambulatório de Proctologia do Hospital Municipal da Piedade em 04/01/2011, com história de lesões perianais dolorosas há, mais ou menos, 1 ano. Tratado com Vibramicina com melhora parcial das lesões. Solicitado pré‐operatório e PPD devido à história familiar de tuberculose. Radiografia de tórax com infiltrado fibro heterogênio. Ao exame físico proctologico, presença de lesão friável, eritematosa, espessada em margem anal posterior com bordos elevados e área de liquenificação a, mais ou menos, 1cm anterior. Realizado biópsia e fistulectomia. O laudo histopatológico: Processo inflamatório crônico fistulizado, apresentando numerosos granulomas epitelioides não necrotizantes. Células gigantes multinucleadas tipo corpo estranho e pequena área de inclusão epitelial no conjuntivo. Em 30/05/2012, o paciente mantendo ferida secretiva, com cicatrização parcial, optou‐se por prescrever empiricamente Mesocol 1200mg em dias alternados com melhora da lesão. Solicitado nova biópsia e sorologias para afastar IST e tuberculose. Resultado de BAAR e escarro negativos. Realizado biópsia e cultura para BK evidenciando processo inflamatório crônico granulomatoso ulcerado, cultura negativa. Em 19/02/2019, retorna ao ambulatorial piora dos sintomas, apresentando lesão ulcerada perianal e margem anal circunferencial, secretiva. Solicitado biópsia com cultura para BK+sorologias+radiografia de tórax. Sorologias negativas. A radiografia apresentou cavitações bilaterais apicais. Transferência para Infectologia, onde foi iniciado esquema RIPE. Em 14 dias de tratamento, apresentou melhora significativa da lesão ulcerada anal. O exame histopatológico mostrou apenas um granuloma piogenico e a cultura confirmou o diagnóstico.

Discussão e Conclusão(ões) A tuberculose do trato digestivo é responsável por 1% de todos os casos ativos da doença e qualquer parte do sistema digestivo pode ser afetada. Quando ocorre o envolvimento da região anorretal, seu diagnóstico é geralmente difícil. Neste caso relatado, o quadro inicial apresentado foi de uma fístula anal de difícil cicatrização pós‐operatória. Os dados coletados, levaram aos seguintes diagnósticos diferenciais: doença de Crohn, infecções sexualmente transmissíveis e neoplasia. O diagnóstico desta apresentação da doença é difícil e biópsias e culturas da peça podem vir negativas em grande parte dos casos. Relatamos um caso de tuberculose anal em um paciente com história de múltiplas biópsias e cirurgias proctologicas prévias para diagnóstico e correção de fístula anal, sem sucesso na cicatrização da ferida operatória. Ao se deparar com uma lesão anal recorrente, de difícil cicatrização, em regiões endêmicas com taxas de incidência notáveis de tuberculose, o acometimento anal da tuberculose deve ser pensado como um importante diagnóstico pela equipe médica.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools