Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 63 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 63 (October 2018)
P21
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.134
Open Access
TUMOR DE BUSCHKE‐LOWENSTEIN: UM RELATO DE CASO
Visits
...
Judith de Almeida Bringsken, Silvana Marques e Silva, Andre David da Silva, Olane Marquez de Oliveira, Mario Nóbrega de Araujo Neto, Renata Gomes Ramalho, João Batista Tajra
Instituto Hospital de Base do Distrito Federal, Brasília, DF, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Descrito pela primeira vez em 1925, é uma afecção rara que tem sido relatada ao longo dos anos. Apresenta‐se como uma tumoração vegetativa a partir de uma infecção por HPV, de carater benigno, porém tem sido relatado pontos focais de malignização invasiva. O tratamento indicado é a excisão local.

Descrição: Mulher, 58 anos, branca, sem comorbidades, etilista aos finais de semana, ex‐tabagista. Sorologias para HIV, Hepatite C e B negativas e sem história de doença sexualmente transmissível. Notou aparecimento de lesão verrucosa perianal em fevereiro de 2017, com crescimento importante a partir de outubro. Ao exame apresentava uma lesão exofítica lateral esquerda e direita, avermelhada com bordas bem delimitadas e de consistência fibroelastica. RNM de pelve demonstrou Lesão expansiva compatível com neoplasia primária no canal anal, pedunculada, protruíndo atraves do ânus, sem comprometimento da musculatura esfinctérica e sem linfonodomegalias inguinais ou pélvicas. Biopsia da lesão: Carcinoma intraepitelial não queratinizado com focos de invasão incipiente. Realizado ressecção local e cauterização das lesões condilomatosas residuais. Avaliação histológica da peça: Lesão invasora que surge de neoplasia intraepitelial de padrão condilomatoso. Padrão de crescimento exofítico e endofítico. Margens livres para carcinoma invasor e comprometidas para NIA. Sem invasão angiolinfática e perineural. Não foi indicado adjuvancia pela oncologia.

Discussão: O tumor de Buschke‐Lowenstein é uma afecção rara, que acomete 0,1% da população, mais frequente no sexo masculino, caracterizado pelo crescimento local lento. O comportamento biológico é considerado intermediário entre o condiloma acuminado e o carcinoma espinocelular. Clinicamente indistinguível de um condiloma, causado assim o seu subdiagnóstico, e inviabilizando realização de ensaios controlados. São preconizados vários tipos de tratamentos como excisão local, agentes tópicos e radioterapia. Reservando amputação apenas para casos invasivos ou recorrências.

Conclusão: É um tumor que tem potencial de malignização de 30 a 60%, a depender da manutenção da lesão do HPV, como consequencia, pode ser prevenida com uso de preservativos, higiene local e vacinação. O tratamento preconizado é conservador, porém em casos graves pode ser indicado até Amputação abdominoperineal. Devido a rarirade dos casos, ainda não se realizou ensaio controle para homogeinização de condutas.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools