Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 78 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 78 (October 2018)
P24
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.167
Open Access
TUMOR ESTROMAL EXTRAGASTROINTESTINAL (EGIST) RETROPERITONEAL: RELATO DE UM CASO RARO EM HOSPITAL TERCIÁRIO DE SALVADOR‐ BAHIA
Visits
...
Tássia Mendes Franco, Carlos Ramon Silveira Mendes, Andre Luiz Santos, Fernanda França Mendonça de Matos, Antonio Carlos Moreira de Carvalho
Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), Salvador, BA, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Os tumores estromais gastrointestinais (GIST) representam menos de 1% de todas as neoplasias malignas porém são as neoplasias mesenquimais mais comuns do trato gastrointestinal. Surgem da parede do trato gastrointestinal, provavelmente das células intersticiais de Cajal, que regular a motilidade do trato, e o marcador histoquímico mais importante é a proteína cKIT CD117, expresso em 95% dos casos. Mais raramente, neoplasias de características semelhantes podem originar‐se fora do TGI, o qual denominamos de tumor estromal extragastrointestinal (EGIST), sendo o retroperitônio o local mais incomum de aparecimento.

Caso: Paciente masculino, 73 anos, admitido em hospital terciário de Salvador (BA) com sangramento retal intermitente há 4meses, de piora progressiva, associado a retenção urinária há 2meses. Realizou colonoscopia evidenciando abaulamento importante junto à linha pectínea, de aspecto extra colônico. Submetido à Ressonância Magnética de Pelve evidenciando volumosa formação pré sacral de contornos bem definidos, hiperintensa em T2 e com numerosas áreas de degeneração hemorrágicas internas em íntimo contato e indissociável com parede posterior do reto (volume de 921cm3); Fígado com 4 lesões focais de realce em meio ao contraste. Ao exame físico observava‐se abaulamento com compressão extrínseca de lúmen de canal anal há 2cm de borda anal. Submetido a amputação abdominoperineal de reto, em maio/2017, com resultado anátomopatológico de Neoplasia Fusocelular e estudo Imunohistoquímico conclusivo de GIST de alto grau histológico (pT4N0) com positividade para os anticorpos monoclonais desmin, CD34, cKIT CD117 e Smooth muscle actin. Encontra‐se em tratamento quimioterápico com Mesilato de Imatinibe (Gleevec).

Discussão: EGISTs são um grupo de tumores com histologia e imunoquimica idênticas aos GISTs. Entretanto a patogênese, incidência, fatores clínicos associados e prognóstico dos EGISTs não foram completamente elucidados. Localização, tamanho, celularidade, atividade mitótica e necrose são os preditores mais precisos de um desfecho desfavorável desses tumores. Eles crescem silenciosamente sendo descobertos causando sintomas de compressão.

Conclusão: Relatamos aqui um caso de EGIST primário de retroperitônio tratado cirurgicamente. Trata‐se de um caso singular onde a revisão da literatura demonstra que a correta relação clinico‐ radiológica é importante no diagnóstico diferencial para GIST e seu posterior tratamento imunossupressor/quimioterápico.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools