Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 22-23 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 22-23 (November 2019)
295
Open Access
Uso de certulizumabe pegol durante a lactação em paciente com doença de crohn
Visits
...
H. Samartine Junior, A.J.T. Alves Junior, F.P. Gomes, L.H. Oliveira, J. Simoes Neto, O.H. Kagohara, J.A. Reis Junior, JA. Reis Neto
Clínica Reis Neto, Campinas, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Inflamatórias Intestinais

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Expor o complexo desafio para a amamentação, em paciente com necessidade de medicamento de uso crônico para remissão de atividade da doença inflamatória intestinal (DII) grave.

Descrição do caso: Paciente feminina, portadora de uma apresentação grave da Doença de Crohn (DC). Foi submetida a inúmeras abordagens cirúrgicas por fístula intestinal e obstrução de íleo terminal. À princípio, foi proposta terapia medicamentosa com mesalazina e azatioprina, as quais foram substituídas por infliximabe (IFX) após a primeira intervenção cirúrgica, sendo que, após a última, foi optado por troca do anti‐TNF para Adalimumabe (ADM) no pós alta, o que a manteve assintomática até sua primeira gestação, quando a medicação foi suspensa no primeiro mês. Um mês após o nascimento a termo, sem complicações, foi aprovado o uso do Certolizumabe pegol (CZP) para DII no Brasil, de modo que foi iniciada terapia com CZP, mantendo o aleitamento materno até o sexto mês. O calendário vacinal infantil foi preservado, com ressalvas às vacinas com vírus ativo atenuado. Mãe e filho encontram‐se hígidos e assintomáticos desde então.

Discussão e Conclusão(ões): Na atualidade, com as diversas opções terapêuticas existentes, mais mulheres com DII tem‐se colocado em posição de poder engravidar, resultando em um duplo desafio: permanecer saudável para manutenção da gravidez enquanto protegem seu concepto de possíveis efeitos adversos da medicação escolhida para remissão da doença de base. O CZP apresenta um grande tamanho molecular, além da substituição da porção Fc por polietilenoglicol, de modo que não há transporte ativo da mólecula, ou seja, qualquer transferência que houver é por difusão passiva, apresentando mínimas concentrações no leite materno e, ao mesmo tempo, de difícil absorção no intestino da criança. Ao contrário do IFX e ADM, os quais, apesar de se mostrarem eficazes na remissão de sintomas em paciente com DC, apresentam transporte ativo para a placenta e para o leite materno. Dessa forma, a atualização do conhecimento no campo e a disseminação de novos linhas de pensamento são, portanto, de grande importância para garantir a implementação na prática diária e no aconselhamento, já que atitude cautelosa em relação ao tratamento medicamentoso durante a gravidez e a lactação pode resultar na suspensão da terapia necessária, e muitas vezes em risco considerável para mãe e filho. O manejo de pacientes com DC durante a lactação requer ponderar os riscos de escolher o melhor tratamento para a mãe, contra possíveis riscos para o filho através da exposição a drogas. Os pontos considerados apresentados neste relato mostram que, apesar das limitações, o tratamento medicamentoso efetivo da DC é possível com razoável segurança para a amamentação; e, uma vez, que o CZP tem uma transferência muito limitada pelo leite materno e pequena absorção intestinal pelo lactente, este agente pode ser preferido no caso de iniciar o tratamento com anti‐TNF durante a lactação.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools