Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 90 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 90 (October 2017)
P‐040
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.041
Open Access
USO DE PRÓTESE ENDOSCÓPICA EM TUMOR DE SIGMOIDE
Visits
...
Natalia Barros Pinheiro, Raul Cutait, Danilo Daud, Felipe Attie Akl, Roger Leme da Silva Farias, Amanda Machado Bernardo Ziegler, Rafael de Castro Santana Arouca
Hospital Sírio‐Libanês, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A cada ano aumenta o número de novos casos de câncer de cólon e de câncer de reto, 10‐30% apresentam obstrução do intestino grosso como apresentação inicial. A obstrução colorretal aguda, independentemente de sua natureza, é uma emergência que requer tratamento imediato. O uso de prótese endoscópica tem sido encorajado, pois possibilita o alívio temporário das obstruções agudas. Em 1991, Dohmoto relatou inicialmente o uso restrito em doença paliativa maligna. Mais recentemente, seu uso tem sido como ponte para a cirurgia, melhora a obstrução. Como vantagem para o uso de próteses, têm‐se; efeitos terapêuticos de longa duração, bem tolerados, e baixos índices de morbidade e mortalidade.

Relato de caso: Sexo masculino, 80 anos, admitido com história de alteração do hábito intestinal havia seis meses. Feita colonoscopia um mês antes da internação, revelou lesão vegetante e ulcerada em retossigmoide, com AP: adenocarcinoma bem diferenciado. CT de abdome e pelve revelou espessamento parietal circunferencial irregular, com realce pelo meio de contraste, localizado no cólon sigmoide distal, media 46mm; esparsos nódulos sólidos hipovasculares no fígado, compatíveis com lesões secundárias; linfonodos proeminentes no hilo hepático. CEA: 534 mcg/L. Colonoscopia: introdução do colonoscópio até 15cm da linha pectínea onde se observou lesão úlcero‐vegetante que ocupava quase completamente a luz do órgão, impossibilitava a passagem do aparelho. Optou‐se pelo uso do gastroscópio, que ultrapassou com dificuldade a lesão, que tinha cerca de 6cm no seu maior eixo. Feitas a passagem e colocação de prótese 22 x 90mm guiada por radioscopia sem intercorrências. Paciente idoso, com comorbidades relevantes, com diagnóstico de adenocarcinoma de cólon sigmoide obstrutivo com linfonodos de drenagem aumentados e metástases hepáticas, optou‐se pela passagem de prótese por via endoscópica. Portanto, observa‐se a relevância do tratamento conservador com passagem de protése endoscópica e seguimento neoadjuvante.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools