Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 3 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 3 (October 2017)
TL1‐005
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.304
Open Access
VALOR PROGNÓSTICO DAS POLIMERASES TRANSLESÃO NO CÂNCER COLORRETAL ESPORÁDICO
Visits
...
Gustavo Andreazza, Natalia Leguisamo, Helena de Castro e Gloria, Daniel de Barcellos Azambuja, Antonio Nocchi Kalil, Jenifer Saffi
Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre, RS, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: O câncer colorretal (CCR) é a terceira causa de morte por câncer no mundo. Cerca de 85% dos casos são esporádicos. A via da síntese translesão (TLS) é uma via de tolerância a dano ao DNA, sujeita a erro e que pode levar a maior instabilidade genômica, pode estar ligada a carcinogênese colorretal. Acredita‐se que TLS pode influenciar a agressividade colorretal. A compreensão do perfil de TLS nesses tumores poderá servir para a proposição de marcadores moleculares e diagnósticos.

Objetivo: Avaliar a expressão gênica e proteica de proteínas envolvidas em TLS e no reparo de malpareamento (MMR) em amostras tumorais de adenocarcinomas colorretais.

Metodologia: Amostras de adenocarcinomas colorretais ressecadas pareadas com mucosas intestinais foram submetidas à quantificação da expressão gênica dos genes Polθ, Polη e Polκ através de qRT‐PCR Array. Imuno‐histoquímica avaliou a expressão proteica das polimerases TLS e de MLH1, do MMR para definir a presença de instabilidade de microssatélites. Os dados moleculares foram correlacionados com as variáveis clínicas e com os critérios atuais de estadiamento.

Resultados: Transcritos e produtos proteicos de Polκ e Polη estão elevados nos tumores colorretais em comparação com o tecido normal. Essa superexpressão está associada a piores características de prognóstico (pouca diferenciação celular, invasão linfática e metástase linfonodal). Níveis de mRNA de Polθ não apresentaram diferença significativa, mas os mais elevados também foram associados a características de pior prognóstico (idade e invasividade tumoral). Nenhuma associação entre as polimerases TLS e o status de MMR foi encontrada.

Conclusão: Alterações na expressão das polimerases TLS podem ter um papel na agressividade tumoral colorretal. Portanto, as polimerases TLS parecem ser boas candidatas a biomarcadores prognósticos dessa doença. No entanto, é fundamental o entendimento da influência delas no CCR, se são parte da etiologia ou um efeito de seu desenvolvimento.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools