Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 237-238 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 237-238 (November 2019)
657
Open Access
Vídeo: reconstrução perineal por fístula retovaginal associada a doença de crohn
Visits
...
Savio Mc, Borges P, Sartor Mc, Baldin Junior A, Brenner As, Rossoni Md, Nóbrega Nl, Nicollelli Gm
Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Área: Miscelâneas

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Vídeo Livre

Objetivo(s): Demonstrar a técnica cirúrgica para tratamento de fístula retovaginal associada a doença de Crohn por acesso perineal.

Descrição da técnica: Paciente de 39 anos, portadora de doença de Crohn colônica e fistulizante perianal desde 2017, em uso de Infliximabe 4 frascos de 8 em 8 semanas. Apresentava bom controle da doença, sem atividade inflamatória clínica e endoscópica. A paciente apresentava fístula retovaginal há mais de 2 anos. Submetida a reparo do trajeto fistuloso, curetagem do trajeto e avanço de retalho mucoso (2017, 2018 e 2019, respectivamente), sem sucesso. Havia orifício interno anterior direito na linha pectínea, orifício externo anterior direito, a 4cm da margem anal e que se comunicava com orifício anterior no intróito vaginal. Associado, retocele grau III. A abordagem cirúrgica foi realizada 4 semanas após infusão de Infliximabe. Realizada incisão transperineal e dissecção no septo retovaginal até encontrar o trajeto fistuloso fibrótico, que foi ligado e desconectado. Após, realizada dissecção no septo retovaginal até visibilização da gordura pré‐peritoneal do fundo de saco posterior. Foi realizada aproximação da fáscia puborretal e aproximação da musculatura do transverso do períneo. A cúpula vaginal foi fixada ao ligamento sacrotuberoso bilateralmente. A paciente apresentou boa evolução pós‐operatória. Acompanhamento de 4 meses sem recidiva da fístula.

Discussão e Conclusão(ões): As fístulas retovaginais associadas às doenças inflamatórias intestinais são de difícil tratamento, com recidivas frequentes e precoces. No caso apresentado a reconstrução perineal permitiu tratar, de forma bem sucedida, fístula retovaginal complexa. A abordagem cirúrgica perineal é boa opção para casos em que outras técnicas falharam.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools