Compartilhar
Informação da revista
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 10-11 (Outubro 2017)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 10-11 (Outubro 2017)
TL3‐023
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.322
Open Access
ANÁLISE DAS COMPLICAÇÕES PÓS‐OPERATÓRIAS NO TRATAMENTO DA POLIPOSE ADENOMATOSA FAMILIAR PELO MÉTODO VIDEOLAPAROSCÓPICO
Visitas
...
Claudemiro de Castro Meira Neto, Marcos Vinicius Araujo Denadai, Carlos Augusto Rodrigues Véo, Maximiliano Camaduro Neto, Luis Gustavo Capochin Romagnolo
Hospital de Câncer de Barretos, Barretos, SP, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Objetivo: Cerca de 15% dos casos de câncer de cólon e reto estão relacionados a síndromes genéticas, a polipose adenomatosa familiar (PAF) é a mais conhecida. A colectomia total e a proctocolectomia representam as opções mais usadas no tratamento cirúrgico da PAF. Atualmente, com o advento da vídeolaparoscopia, essas cirurgias passaram a ser feitas sob técnicas minimamente invasivas, oferecem taxas de morbimortalidade semelhantes à cirurgia aberta, menor dor pós‐operatória e retorno do paciente mais precocemente às suas atividades habituais.

Método: Estudo observacional, vertical, retrospectivo, abrangeu 60 pacientes portadores de PAF submetidos a colectomia total e a proctocolectomia videolaparoscópicas entre janeiro de 2010 e janeiro de 2016. Foram avaliadas a frequência e a gravidade das complicações ocorridas nos primeiros 30 dias de pós‐operatório, com a classificação de Clavien‐Dindo. Características clínicas e demográficas dos pacientes também foram analisadas.

Resultados: Sexo feminino e cor branca representaram 55% e 78,3% dos casos, respectivamente. A idade média foi de 28 anos. O tempo operatório médio foi de 281 minutos e o tempo de internação foi de cinco dias em média; 17 pacientes (28,3%) apresentaram algum tipo de complicação (12 casos grau II e cinco casos grau IIIb). Neoplasia maligna invasora foi encontrada no espécime operatório de 11,7% dos pacientes e apenas 28,3% dos pacientes não apresentaram manifestações extracolônicas. Sexo, cor, tipo de cirurgia, IMC, tempo operatório, idade e ocorrência de reinternação não demonstraram correlações significativas com a ocorrência de fístula de anastomose, obstrução intestinal, abscesso intracavitário e infecção de ferida operatória. Tempo de internação maior, entretanto, foi o único fator que revelou associação com maior índice de complicações. Mortalidade no pós‐operatório não foi observada.

Conclusão: Os dados apresentados permitem inferir que o método videolaparoscópico é seguro e factível no tratamento de pacientes portadores de PAF.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.