Compartilhar
Informação da revista
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 138-139 (Outubro 2017)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 138-139 (Outubro 2017)
P‐152
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.153
Open Access
HERPES PERIANAL NO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
Visitas
...
Alexandre Dias França, Luis Gustavo Capochin Romagnolo, Maximiliano Cadamuro Neto, Marcos Vinicius Araujo Denadai, Carlos Augusto Rodrigues Véo
Hospital de Câncer de Barretos, Barretos, SP, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Introdução: O herpes genital é uma doença sexualmente transmissível comum, afeta mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo. É causada pelo vírus do herpes simples (HSV 1 e 2) e caracterizada por reativação periódica. Os sinais clínicos mais frequentes são: vesículas isoladas ou agrupadas nas genitais, períneo, nádegas, parte superior das coxas ou áreas perianais que evoluem para úlceras. Os sintomas podem incluir mal‐estar, febre ou adenopatia localizada. Os surtos subsequentes, causados pela reativação do vírus latente, geralmente são mais leves.

Descrição do caso: Paciente M.O.S., 70 anos, masculino, apresentou lesão perineal ulcerada havia dois meses com dor e drenagem de secreção local, submetido a tratamento com antifúngico sem sucesso. HPP: scompanhamento com equipe de hematologia por timoma metastático com doença estável. Exame físico: lesão ulcerada dolorosa e exsudativa em sulco interglúteo e região perianal. Toque retal sem lesões. Conduta: curativos diários, biópsia de lesão e sigmoidostomia em alça. Evolução: anatomopatológico e IHQ sugestivos de quadro inflamatório provavelmente associado à infecção por herpes vírus. Além de desvio do trânsito intestinal e curativos diários com equipe de estomatoterapia, iniciado antiviral oral (aciclovir), com melhoria significativa.

Discussão: O tratamento de lesões herpéticas perianais frequentemente envolve a necessidade de tratamento precoce. O tratamento das lesões mais graves muitas vezes engloba uso de fármacos antivirais em associação com cirurgia derivativa (colostomia) e curativos diários. Durante a condução do caso torna‐se importante a biópsia para excluir a possibilidade de neoplasia ou infecções fúngicas crônicas, principalmente quando as lesões tendem à cronicidade ou há baixa resposta ao tratamento inicial (sobretudo quando os pacientes são imunodeprimidos ou trataram neoplasia maligna prévia).

Conclusão: O manejo das lesões herpéticas perianais envolve tratamento multimodal, que engloba uso de antivirais em associação com cirurgia derivativa e curativos diários, com ótimos resultados.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.