Compartilhar
Informação da revista
Vol. 38. Núm. S1.
Páginas 88 (Outubro 2018)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 38. Núm. S1.
Páginas 88 (Outubro 2018)
P45
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.189
Open Access
LIPOSSARCOMA RETROPERITONEAL GIGANTE: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA
Visitas
...
Fernanda Costa Pereira, Rodrigo Saad Rodrigues, Raquel Coelho Fernandes, Marley Ribeiro Feitosa, Rogerio Serafim Parra, Omar Féres, Jose Joaquim Ribeiro da Rocha
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto, SP, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Introdução: O lipossarcoma retroperitoneal é uma neoplasia rara, de crescimento lento e detecção tardia. Geralmente assintomático, até que atinja grandes proporções edetermine sintomas obstrutivos. O objetivo do presente estudo é apresentar um caso delipossarcoma retroperitoneale discutir aspectos diagnósticos e terapêuticos atuais.

Descrição do caso: Mulher, 60 anos compareceu à consulta de rotina e, ao exame físico, percebeu‐se massa abdominal volumosa, endurecida, ocupando todo hemiabdome à direita. Tomografia computadorizada mostrou massa retroperitoneal medindo 24×16×11cm com atenuação predominante de gordura, múltiplas septações e áreas com densidade tissular e calcificações, compatível com diagnóstico delipossarcoma retroperitoneal. Submetida à laparotomia exploradora com ressecção da massa, sem necessidade de ressecção visceral associada. O anatomopatológico confirmou o diagnóstico delipossarcoma retroperitonealbem diferenciado. Recebeu alta hospitalar no 3° pós operatório emantém seguimento ambulatorial, sem sinais de recidiva.

Discussão: Olipossarcoma retroperitonealé um neoplasia de comportamento clínico variado. A classificação mais atual, subdivide o tumor em quatro tipos histológicos: tumores bem diferenciados, mixóides, pleomórficos e desdiferenciados. São tumores que raramente apresentam metástases a distância e a recorrência local é a principal causa de óbito. A cirurgia com excisão completa da lesão é o tratamento de eleição, entretanto, radio e quimioterapias complementares podem ter papel adjuvante.

Conclusão: Olipossarcoma retroperitonealé raro e ressecção com margens negativas é a melhor forma de tratamento.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.